quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Marimbondo

Era um terreno baldio

Que eu mesmo capinei

Com um surdo mal feito de lata

Uma escola de samba fundei

Usei corda na avenida

No desfile principal

Esquentava a bateria

Com pedaço de jornal

A minha escola cresceu

E o terreiro hoje tem cobertura

Quem ficou pequenino fui eu

Diante da nova estrutura

Eu quem fundou a escola

Entre trancos e barrancos

Na galeria de sócios

No lugar do meu nome tem um branco

E vou contar a minha mágoa, minha minha dor

Fui barrado na porta da escola que sou fundador

Nenhum comentário:

Postar um comentário