domingo, 7 de abril de 2013

Jose Saramago - Caverna de Platão e as imagens


Nos estamos no mundo, que chamamos de mundo áudio visual. Nos estamos a repetir a situação das pessoas aprisionadas ou atadas, "na caverna" do Platão.
Olhando em frente, vendo sombras, e acreditando que estas sombras são realidade.
Foi preciso passar todos estes séculos para que a caverna do Platão aparecesse finalmente no momento da historia da humanidade, que é hoje, e vai ser muito mais. 

Jose Saramago


Bem, nos vemos muitas coisas fora do contexto. A maioria das imagens que vemos estão fora do contexto, a maioria das imagens que nos vemos não nos tenta falar algo, elas tentam nos vender algo, e nas maiorias das coisas que vemos nas revistas, tv's,  tentam nos vender algo.  Mas a maior necessidade humana é que algo nos diga algo.
É que nem um criança quando vai dormir e quer ouvir uma historia,  não porque ela se preocupa com a historia porque o desenvolvimento da historia cria segurança e conforto...  E... penso que mesmo quando crescemos, continuamos gostando da segurança,  do conforto que vem de qualquer historia, seja ela a historia que for. A estrutura da historia cria um significado, e a maioria das coisas em nossas vidas  acontecem sem muito sentido, então todos temos desejo pelo significado.
Acho que e o mesmo com todas as outras coisas que temos demais, acho que temos muito de muitas coisas hoje em dia, mas a única coisa que não temos demais é o tempo.
Muito de nos, temos muito de todas as coisas,  e ter muito de todas as coisas é não ter nada. E esse excesso de imagens hoje em dia mostra que  basicamente somos incapazes  de prestar atenção. Basicamente somos incapazes de sermos tocados pelas imagens, e as historias devem ser extraordinárias para nos tocar porque, hoje,  as imagens simples nos não queremos mais vê-las.
(Trechos filme - Janela da Alma)

Um comentário:

  1. É muito difícil achar um sentido lógico para existência do ser humano...
    Mas receio que esse seja o único motivo real de nossa aparição aqui no Planeta.

    E viva o questionamento eterno !!!

    ResponderExcluir