sexta-feira, 29 de março de 2013

Frase - Rubem Alves

Todas as palavras tomadas literalmente são falsas. A verdade mora no silêncio que existe em volta das palavras. Prestar atenção ao que não foi dito, ler as entrelinhas. A atenção flutua: toca as palavras sem ser por elas enfeitiçada. Cuidado com a sedução da clareza! Cuidado com o engano do óbvio! ).

quarta-feira, 27 de março de 2013

Maria Bethânia - Nem Sol, Nem Lua, Nem Eu

Hoje eu encontrei a Lua 
Antes dela me encontrar 
Me lancei pelas estrelas 
E brilhei no seu lugar 
Derramei minha saudade 
E a cidade se acendeu 
Por descuido ou por maldade 
Você não apareceu 

Hoje eu acordei o dia 
Antes dele te acordar 
Fui a luz da estrela-guia 
Pra poder te iluminar 
Derramei minha saudade 
E a cidade escureceu 
Desabei na tempestade 
Por um beijo seu 

Nem a lua, nem o sol, nem eu 
Quem podia imaginar 
Que o amor fosse um delirio seu 
E o meu fosse acreditar 

Hoje o Sol não quis o dia 
Nem a noite o luar 

segunda-feira, 18 de março de 2013

Juventude - Domingos de Oliveira


“Eu acreditei em muitas coisas: que o bem venceria o mal; acreditei em Freud e na psicanálise, que se eu tivesse coragem, eu chegaria ao autoconhecimento e seria feliz; acreditei em Marx e na revolução, que se eu tivesse bastante coragem eu poderia ajudar o mundo a alcançar a justiça social. Acreditei também em muitas outras coisas: na dignidade, na honra, na inocência, na sabedoria, na razão, na intuição, na ciência e na arte, sobretudo, no amor eterno, único. [...] Essa é a minha história e a minha geração. Nós somos aqueles que viveram e sobreviveram a muitos ideais, aqueles que viram a falência das soluções libertadoras, aquelas que prometiam resolver o enigma da existência humana. Não estou me queixando. É melhor ter ideais, nem que seja para perdê-los e sair procurando outros”.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Soneto

O soneto é uma composição poética constituída por 14 versos, distribuídos, segundo o modelo petrarquiano (também chamado "soneto italiano"), em 2 quadras e 2 tercetos, as primeiras apresentando duas ordens de rimas e estes últimos duas ou três ordens. O esquema rimático mais freqüente é:
a b b a / a b b a / c d c / c d c
Tudo leva a crer que o soneto foi criado no século XIII, pelas mãos do poeta siciliano Giacomo de Lentino, em Palermo.
O primeiro grande nome ligado ao soneto é o de Dante, devendo-se a outro mestre da poesia, Petrarca, a consolidação e a difusão do modelo.
Em Portugal, o soneto teve como seu primeiro cultor o poeta Sá de Miranda. Camões dedicou-se amplamente ao soneto, alcançando com ele alguns dos mais altos momentos da literatura universal de todos os tempos.
No Brasil seiscentista, Gregório de Matos empregou o soneto tanto para a lírica sacra e amorosa quanto para a satírica. Adiante, Cláudio Manuel da Costa firmou-se como sonetista de grande valor, ajudando a fortalecer uma tradição que daria nomes como Olavo Bilac e Cruz e Sousa, entre outros.
Num primeiro momento, os modernistas se voltaram contra o soneto, atitude inserida num amplo programa de ruptura com a "fôrma" das formas fixas e dos padrões poéticos tradicionais. No entanto, depois de instalado o verso livre e conquistadas tantas outras liberdades nos níveis da estruturação e do conteúdo, poetas como Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade retornaram ao soneto.
Vinicius de Moraes consolidou-se como grande sonetista da moderna literatura brasileira e ajudou a popularizar a forma.
O soneto também pode ser estruturado em três quartetos e um dístico, sendo chamado então "soneto inglês".

quarta-feira, 13 de março de 2013

Os homens dessa epoca - Flavia Tambalo

Já não se vivem os amores...
Vive-se as indelicadezas, ciumeiras e numa incansável luta pela razão
Perde-se entre as linhas do poder, o amor.
Perde-se a graça após tanta intolerância,
Perde-se os risos doces e fáceis, após as brechas abertas pela desconfiança
Perde-se tanto tempo, precioso tempo com insensatez.
Já não se vivem os amores...
Os homens desta época já não sabem o gosto de conquistar
Sabem tudo sobre preços, contas,e processos,
Perderam-se entre o fútil mundo de ninguém,
Perdem a cada dia sua amada, pelas palavras não ditas,
Pelos olhos que por ela passam despercebidos,
Perdem suas amadas, no instante em que perdem o dom de acariciar a alma delas.
Homens sem serenatas, sem poesias, sem vinculos...
Sempre apressados, fustigados pelo tempo de seu relógio,
Sempre falando de coisas vãs,indo daqui ali descontentes pelo que o dinheiro não pode comprar.
Homens desta época, não sabem o que representam as flores, não sentem emoção de pegar nas mãos de uma donzela
Não sabem ao menos o prazer de encostar em seu corpo,
De dançar vagarosamente, sentindo o coração dela bater no compasso do seu peito.
Já não se vivem os amores como outrora, que parecia ontem as belas histórias de amor descabido.
Hoje não passam de ficção. Fricção...sem afeição.

segunda-feira, 4 de março de 2013

Zé Marcolino canta e conta sua historia

Um novo dia,uma nova decisao - Mania de tristeza e Seducao (blog)

12/11/2012
Sem sono outra vez, outra noite em quase cinco noites. Realmente já sei o que perturba, e talvez eu hoje a noite possa dormir.
Meu coração se adoeceu. Ele se adoeceu porque eu concordei em viver sem ele, em viver sem que ele participasse.
Agora eu preciso mais que tudo colocar tudo pra fora e me libertar, mais uma relação no meu caderninho, mais um fracasso meu. Mas no fim eu sei todos os motivos.
Eu não sei viver uma relação assim, perfeita em idéia e fraca em prática. Deixe-me explicar.
Hoje vivo com alguém cuja comunicação é tão forte e gostosa que é como se fôssemos melhores amigos. Alguém que me faz rir. Alguém cujo coração é tão doce e bom quanto o meu. Alguém cuja face sempre transparece ideias demais. Ele é um dos caras mais incríveis que conheci. Mas eu não o amo, não com a intensidade que de meu coração precisa. Meu cérebro o ama, ama o jeito como ele ri e parece um vilão de novela, como é complexo e todos os dias descubro novas facetas. Como ele aprendeu a me ler tão rápido. Ele mudou muitos conceitos e padrões do que eu já havia vivido.
Mas ainda assim, quando não o amo de coração, quando esperei que ele tocasse minha alma, quando estive com ele e não senti meu coração participar, quando meus sentimentos fugiram de mim e eu fiquei triste e só mesmo estando ao lado dele, ele não viu, não o culpo.
E agora meu coração sufocado pede um ultimato, quer me deserdar, quer me abandonar.
Quer ir embora e se eu tenho que escolher entre alguém e eu, terei que escolher por mim.
Não me julgue, por favor, não sou tal horrível pessoa. Eu posso acrescentar mais detalhes à figura para que você possa enxergar e me entender.
Ele tem outros problemas, outros que não sou eu, ele tem uma vida muito diferente e uma concepção que ainda estou por entender. Sei que parece vago, mas se eu jogar limpo e contar tudo, você vai dizer vai concordar mais rápido que devo deixa-lo mas não vai entender o lado dele.
Porque de verdade, esses outros problemas contribuiram muito pouco na minha decisão, o que pesou mesmo foi o fato do meu coração não estar com ele e se recusar a estar com ele. É como se eu nunca conseguisse ser dele completamente. Eu preciso de outras coisas, troco toda a intensidade dos orgasmos, troco todas as mirabolações sexuais por mais sentimento, por momentos onde ele tivesse me cativado, tivesse conquistado o lugar dele no meu pensamento.
Agora ele parece um incômodo que eu me ofereço a viver mas não quero viver.
E o que mais me dói é saber que por fim, eu vou magoar mais alguém. Me sinto uma pessoa horrível. Tão maldosa. Tão sem jeito. Porque não podemos escolher o que o coração faz?
No fim, vou ter que me justificar muito, porque talvez ele não queria desistir de mim, o que me seria digno.
Mas eu sei que ele também sente, ele também percebe que eu não estou completamente com ele.
E por fim, aquele outro babaca que tenho mil razões para ignorar, ele que escolheu me machucar, ele eu amei. Parece que no fim eu estou aprendendo e muito. E como uma pessoa me disse, talvez não se precise de uma razão precisa para se terminar, apenas não querer se estar mais lá. Concordo, as vezes vou no fundo do poço, preciso ver tudo carbonizado e queimado, destruído e dito, para então ir embora. acho que dessa vez posso fazer diferente e ir embora antes que tudo desabe.
Não me sinto feliz com isso tudo, mas me sinto menos infeliz ao menos.
Meu mundo talvez esteja se encaminhando a fim de ser mais sozinha e me entender mais, conseguir dizer não, conseguir fazer o outro me merecer ao invés de me doar tão fácil.
Ah, o meu mundo podia ser menos preto e branco...

Fonte:http://lumanias.blogspot.com.br/2012/11/um-novo-dia-uma-nova-decisao.html