quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Malicia - Elma Moreira de Assis

Malicia - Elma Moreira de Assis

Este conto me foi enviado pela amada Elma em 20/05/2012

(foi seu primeiro conto)

 Nina já estava atrasada, após um dia exaustivo no trabalho, cansada e com os cabelos em desalinho, lançou-se no trânsito caótico de São Paulo, já sabendo o que a esperava. Queria noite, queria barulho e vida acontecendo, sua happy hour, flertes e todos os pecados que sampa é capaz de proporcionar. Tirou o blazer, desabotoou dois botões de sua camisa de seda, ergueu um pouco sua saia de alfaiataria, colocou os Stones em alto e bom som e decidiu que apenas dessa vez não ia permitir que o stress a vencesse. Aquela fila enorme de carros, buzinas, motoqueiros avulsos e muita fumaça, não o suficiente para ofuscar seus olhos castanhos e famintos de um certo carro preto parado pouco atrás do seu. Pelo retrovisor ela se deliciava em observar o conteúdo: um homem alto, feições elegantes, um nariz afilado e grande, cabelos grisalhos e uma barba rala, que teimava em folgar sua gravata enquanto ajeitava seus óculos discretos. Ela automaticamente sorriu de lado e melhor acomodou-se no banco do carro, em vez de saliva em sua boca já fluía veneno, aquele seria presa fácil. Rapidamente borrifou perfume em seu pescoço, nuca, pulsos e, maliciosamente, entre suas pernas. Fitou o batom e passou-o vagarosamente por seus lábios, tão carmim quanto suas unhas. Sua força de pensamento não podia ser mais eficaz, já pronta e ouriçada não conteve a excitação ao ver que agora aquele homem estava bem do seu lado. Atiçada observou-o ainda mais, pôde reparar suas mãos grandes, pulsos largos, pele levemente bronzeada, um charmoso relógio no braço direito, camisa preta dobrada, com gola bem formada e uma tatuagem que insistia em aparecer por seus músculos. Ela nunca gostou tanto de ver um São Jorge na vida, e riu mais safada ainda. Presos pelo engarrafamento, decididamente olhou de lado e mordeu os lábios, baixando o vidro de seu carro, gesto igualmente feito pela outra parte. Ele já começou bem, elogiando aquele Rock Clássico e cumprimentando-a com a educação que lhe era peculiar. Ela respondeu a altura, sem exitar em cavar uma oportunidade e pedir uma indicação de um bom local para relaxar e esquecer aquela semana tormentosa. Rindo e com uma química absurda, ambos seguiram juntos, para o All Black, um insinuante pub paulista, ambiente propício para aquele encontro. Ao chegarem e após as devidas apresentações, a conversa inteligente que travaram foi regada a muita ironia, sarcasmo e aquele humor ácido. Entre dedos nos cabelos e cruzadas de pernas, ela o seduzia intensamente. E ela se rendia com aquele homem que falava enquanto passava a mão no queixo e a olhava fixo, como que devorando-a só com aqueles olhos negros, tentadores. Whisky com apenas três pedras de gelo, e o riso seguia frouxo. Instintivamente ele passou delicadamente a mão pelas coxas brancas e macias dela, mantendo o toque para sentir o quanto ficara arrepiada, e sua face ruborizada, não escondendo a excitação. Marcos, nome que ela adorava falar vagarosamente, era professor de Francês da USP, já tendo feito História da Arte e com dois livros publicados. Ela praticamente gozava só em ouvir aquele homem, no auge dos seus 35 anos, contar-lhe de suas viagens e paixões tórridas. Mais whisky, cascata afrodisíaca de camarões, e aquele perfume dele que incendiava seu corpo. Propositalmente ela roçou sua perna na dele, desculpando-se pelo deslize, sem esconder o riso de lado. Ele, sentindo-se desafiado, pediu licença e foi ao banheiro, não perdendo a oportunidade para cheirar a nuca dela, e sentir aquele corpo branco estremecendo, num calafrio intenso. Na quarta dose ele decidiu que era o momento, chamou o garçom e pediu a conta. Ela o acompanhou sem retrucar, para a glamourosa suite do Hilton Hotel, seus corpos pediam quatro paredes. Entraram no quarto, ele acomodou os pertences dela, e com a educação que lhe era nata guardou seu casaco e pediu uma garrafa de whisky, e muito gelo, muito. Ela visualizava o local, procurou de imediato o aparelho de som e tratou de colocar um bom e infalível Jazz, desmanchando-se no sax e naquela noite. Ele, sabiamente, não mostrava ansiedade, o que a deixava mais louca ainda. Sentou-se na cadeira, em frente a ela, serviu-lhe uma dose de whisky, e observou-a contorcer-se só com o seu olhar, apreciando aquele prazer adiado. Chegou mais perto, passou gelo nos lábios carnudos e vermelhos dela, e enquanto pingos de água escorriam ele tratou de beijá-la, delicadamente. O encaixe perfeito, bocas e línguas entrelaçadas, sincronizadas. Demoradamente ele a sugava, mordiscava seu queixo, deslizava sua mão na nuca e a puxava para si. Ela divagava no sabor da boca e na leveza do toque, já antevendo o por vir. Na dissolução do beijo ela restou ofegante, não contendo um suspiro, prenúncio de seus vários gemidos noturnos que ocorreriam. Ele continuava olhando-a fixo e sorriu de canto de boca, servindo-a outra dose. Sinatra e sua voz imponente contagiavam o ambiente, quando ele, compassado, a convida para dançar, beija sua mão e aperta sua cintura. Corpos colados, respirações fortes, perfumes misturados. Ele desliza as mãos pelas costas dela, e sussurra em seu ouvido: eu quero degustar você, completa e delicadamente. Ela estremece, respira quente no pescoço dele, ergue o rosto e responde: estou entregue. Imediatamente ele a gira, coloca-a em sua frente e dança assim, por trás dela, enquanto saboreia aquela nuca, e percorre todo aquele corpo cheio de curvas com suas mãos grandes, hábeis. Ameaça-lhe tocar os seios, ela treme e rebola sutil, esfregando-se nele, sentindo todo o desejo e a excitação daquele homem. Ele desabotoa a blusa dela, e a observa dançando solta. Ela com uma belíssima lingerie preta, toda de renda. E, claro, sempre com seus sapatos altos, mantendo suas pernas torneadas. E ela dança, e ri. Ele a olha. Ela, brincando de streep, retira a saia aos poucos, deixando-o salivando de desejo ao observar suas formas. Ele se aproxima, beija-lhe profundamente a boca, mordisca sua orelha e fala que ela é linda e perigosamente sedutora. Ela o olha fixo e mordisca o braço dele, arranhando as costas dele com as unhas. Morde o pescoço e vai abrindo a camisa dele botão por botão, enquanto beija-lhe o peitoral e sente todos os músculos daquele corpo moreno e tentador. Apenas solta o botão da calça, e ri safada, voltando a tomar sua dose e dançar solta, só lingerie e sapatos. Ele, com seu arco teso de paixão, segue-a instintivamente, a pega pelo braço e a acomoda na cama, por entre travesseiros e lençóis macios. Deita-se por cima dela e a beija, vorazmente. Ela se remexe e se ajeita na cama, procurando o perfeito encaixe de seus corpos. Ele pausa o beijo, olha fundo nos olhos dela, ri de lado e diz que vai descer, beijando-a. Ela sussurra um não tímido, sabendo ser este em vão. Ele cumpre o prometido e perde-se por entre as pernas dela, beijando-lhe as coxas, mordiscando-as. Lentamente afasta a calcinha, sem retirá-la, e lambe uma única vez, totalmente. Uma lambida com língua cheia e forte, sentindo o gosto dela. Aproxima sua cabeça, cheira aquela boceta rosada, e lambe mais uma vez, repetidamente. Lambe, enfiando seu rosto nela, apertando-lhe as coxas, devorando-a com a boca, e nariz. Esfrega seu queixo pelas coxas e bem nela, em cheio, arranhando-a com a barba mal feita, deixando que a pele mostre os sinais do desejo. Enquanto isso ela se contorce, aperta-lhe os ombros, gemendo muito e mordiscando os lábios. E ele intensifica com a língua, mordisca o clítoris e seus grandes lábios, mordisca e volta a chupar, lamber. Gira a língua lá dentro, fica louco ao sentir ela se desmanchar em seu poder, seu toque. Suga intenso sua boceta, lambendo firme, com língua aberta, apoderando-se dela como um todo. Levanta o olhar, observa-a com olhos fechados e lábios mordidos, totalmente entregue, e aprofunda a língua, comendo-a assim, com a ponta da língua forte, incisiva. Enquanto chupa enfia lentamente seu dedo indicador na boceta dela, girando suavemente, sentindo aquela correnteza de tesão escorrendo por sua boca. Ela geme alto e abre mais as pernas, entregando-se completamente àquelas mãos. E ele enfia todo o dedo e o mantém parado dentro dela, enquanto ela se remexe, doida de prazer. Ele gira o dedo, totalmente lá dentro, enquanto a chupa compulsivamente. Retira e enfia mais um dedo, penetrando e saindo assim, ininterruptamente, enquanto ela se contorce e ergue o quadril, abrindo totalmente as pernas, na iminência de atingir o gozo. Ele intensifica a língua e os dedos, girando a cabeça na boceta dela, chupando profundamente, quase como animal mesmo, lambuzando-se. E nessa voracidade, sente uma descarga elétrica tomar conta de todo o corpo dela, seguida de um gemido forte. O corpo dela se contorce bem na boca dele, e ele a escuta sussurrar seu nome, enquanto geme forte, gozando intensa. Ele suga tudo o que escorre dela, lambendo tudo, lambendo coxas, barriga, e toda a seiva que escorreu de sua boceta. Com boca lambuzada se aproxima dela e beija intensamente sua boca, aquecendo-lhe os lábios, fazendo-a sentir o próprio gosto. Ela puxa os dedos dele, os mesmo que há pouco estiveram em sua boceta e os chupa com sede, lambendo o queixo e beijando-lhe os lábios, 'animalmente'. Ela arranca as calças dele e despi-se totalmente. Ele afunda seus lábios em seus seios fartos. Mordisca e chupa o bico rosado, enfiando-os até quanto pode na boca. Se encaixa mais e roça seu corpo no dela, fazendo-a sentir toda sua excitação, fazendo-a delirar. Abre as pernas dela com suas próprias pernas e roça seu pau na boceta dela, contornando, sentindo. Ela ergue seu quadril e rebola, pra que ele a penetre assim, deslizando devagar. Remexendo ele se apodera dela, com todo seu pau espesso possuindo-a. Ela morde os ombros dele, em sinal de tesão. E ele rebola bem dentro dela, esfregando-se. Ela ergue as pernas e as abre mais, para que fiquem totalmente encaixados. Ele começa a entrar e sair, apoiando-se em seus braços fortes, mordendo a boca dela, o queixo e roçando sua barba nos seios dela. Nesse vai e vem ela morde sua língua e chupa sua boca, completa. Enquanto ele a fode sem parar, cada vez mais forte. Ela tenta se levantar mas ele a segura, só com uma mão, impedindo-a de realizar qualquer movimento. Ela levanta totalmente as duas pernas, pra que ele a coma totalmente. Ele fala o quanto ela é gostosa e morde-lhe novamente o queixo, trêmulo de tesão. Ela sutilmente vira de costas e empina a bunda, ficando de quatro na cama. Ele, com o instinto mais primitivo de todos, fode com mais força, agarrando os cabelos dela e passando barba na nuca, nas costas e nas covinhas que ela tem logo acima da bunda. Ela empina mais a bunda e rebola, enquanto ele mantém o pau parado na boceta dela. Os dois ficam assim, ela rebolando e sentindo, do seu jeito, a posse daquele homem. Urrando de desejo bem na orelha dela, corpos suados e respiração quente, ele goza bem dentro dela, quente e muito, deixando seu pau dentro, desfalecendo nas costas dela. E ela fica assim, com ele pesando em suas costas, sentindo o cheiro e o suor de ambos misturados. Ela fica assim enquanto se contorce, e ele já a olha desconfiado. Ela se afasta, o ajeita entre os travesseiros e vai tomar mais uma dose de whisky. Aproveita e, com um gelo em sua boca, começa a beijar molhado o pescoço dele. Ele ri de lado e duvida do que vê, mas aceita passionalmente. Ela se senta bem em cima dele e lhe beija sinuosamente, enquanto caminha com o gelo pelo corpo dele. Morde seu queixo, lambe seu pescoço todo e mordisca o peitoral. Olha bem safada pra ele, lambe os lábios e coloca todo o pau dele em sua boca, assim, de vez. Engole e fica com a boca parada, só girando a língua, sentindo-o endurecer na sua boca. Retira a boca e lambe todo o pau, desde embaixo. Lambe a virilha, contornando-o. Concentra-se na cabeça e a chupa, lentamente. Enquanto isso suas mãos percorrem as coxas grossas e morenas dele, apertando-as. Ela as abre mais e engole todo o pau dele, sugando forte, firme. Ele solta um gemido e seu corpo treme, e ela suga ainda mais firme. Suga e chupa, insistentemente. Retira a boca, olha pra ele e se diverte com sua cara sofrida de prazer, morde os lábios e o masturba com uma das mãos, segurando-o firme, deslizando facilmente no teso arco desse homem. Ela fica olhando pra todo seu corpo, doida de tesão, enquanto o masturba forte e o sente pulsando bem assim, na sua mão. Fica de quatro em cima da cama, bem diante dele e engole seu pau de novo, dessa vez chupando forte, sem mãos só boca. Chupa, suga, engole e gira a língua, enquanto rebola pra ele ver e urrar mais ainda de tesão. Chupa ainda mais forte, engolindo até onde aguenta. Pára a boca, concentra-se só na cabeça e gira a língua nela, sugando-a firme. Chupa forte e depois engole todo o pau, sugando e rebolando. Senta em uma das pernas dele e esfrega sua boceta enquanto o chupa, intensamente. Levanta os olhos e manda ele gozar assim, na boca dela. Volta a chupar forte, sentindo ele pulsando dentro dela, passando a língua e engolindo tudo. Ele geme alto e ela sente aquele pau latejando em sua boca, enchendo-a de um gozo forte e quente. Ela continua chupando, pra extrair até a última gota, deixando que escorra pelo seu queixo, seus seios. Enquanto ele treme de tesão, desmanchando-se na boca dela, seu gozo escorregue, farto. Ele a puxa para si e beija sua boca, profunda. Enquanto ambos desfalecem de desejo, sem dizerem uma palavra sequer apenas seguindo o instinto. E na lombra orgásmica esperam seus corpos esfriarem, para recomeçar tudo novamente .. Porque o desejo é um ciclo vicioso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário