quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Kinder Ovo - Sabor Ovo

E ASSIM SERÁ EDUCADO O SANDROVISKSINHO!!!!!

A dama e o vagabundo

Por mais elegante, chique e bem comportada que uma mulher seja, ela vai se descabelar toda por causa de um vagabundo. É, ela vai descer do salto quando tiver ciúmes, vai chorar litros de lágrimas quando brigar com ele, vai dizer palavrões, coisas bizarras, mandá-lo para onde o sol não bate. É assim mesmo. Sempre irá haver uma sofisticada dama que morrerá de amores por um belo vagabundo.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

BRASIL CARINHOSO - Martha de Freitas Azevedo Pannunzio

Último lembrete: a pobreza é uma consequência da esmola. Corta a esmola que a pobreza acaba, como dois mais dois são quatro.
Não me leve a mal por este protesto público. Tenho obrigação de protestar, sabe por quê? Porque, de cada delírio seu, quem paga a conta sou eu.
(Martha de Freitas Azevedo Pannunzio)

Observem a origem de quem escreveu.

BRASIL CARINHOSO
Bom dia, dona Dilma!
Eu também assisti ao seu pronunciamento risonho e maternal na véspera do Dia das Mães. Como cidadã da classe média, mãe, avó e bisavó, pagadora de impostos escorchantes descontados na fonte no meu contracheque de professora aposentada da rede pública mineira e em cada Nota Fiscal Avulsa de Produtora Rural, fiquei preocupada com o anúncio do BRASIL CARINHOSO.

Brincando de mamãe Noel, dona Dilma? Em ano de eleição municipalista? Faça-me o favor, senhora presidentA! É preciso que o Brasil crie um mecanismo bastante severo de controle dos impulsos eleitoreiros dos seus executivos (presidente da república, governador e prefeito) para que as matracas de fazer voto sejam banidas da História do Brasil.

Setenta reais per capita para as famílias miseráveis que têm filhos entre 0 a 06 anos foi um gesto bastante generoso que vai estimular o convívio familiar destas pessoas, porque elas irão, com certeza, reunir sob o mesmo teto o maior número de dependentes para engordar sua renda. Por outro lado mulheres e homens miseráveis irão correndo para a cama produzir filhos de cinco em cinco anos. Este é, sem dúvida, um plano quinquenal engenhoso de estímulo à vagabundagem, claramente expresso nas diversas bolsas-esmola do governo do PT.

É muito fácil dar bom dia com chapéu alheio. É muito fácil fazer gracinha, jogar para a plateia. É fácil e é um sintoma evidente de que se trabalha (que se governa, no seu caso) irresponsavelmente.

Não falo pelos outros, dona Dilma. Falo por mim. Não votei na senhora. Sou bastante madura, bastante politizada, sobrevivente da ditadura militar e radicalmente nacionalista. Eu jamais votei nem votarei num petista, simplesmente porque a cartilha doutrinária do PT é raivosa e burra. E o governo é paternalista, provedor, pragmático no mau sentido, e delirante. Vocês são adeptos do quanto pior, melhor. São discricionários, praticantes do bullying mais indecente da História do Brasil.

Em 1988 a Assembleia Nacional Constituinte, numa queda-de-braço espetacular, legou ao Brasil uma Carta Magna bastante democrática e moderna. No seu Art. 5º está escrito que todos são iguais perante a lei*. Aí, quando o PT foi ao paraíso, ele completou esta disposição, enfiando goela abaixo das camadas sociais pagadoras de imposto seu modus governandi a partir do qual todos são iguais perante a lei, menos os que são diferentes: os beneficiários das cotas e das bolsas-esmola. A partir de vocês. Sr. Luís Inácio e dona Dilma, negro é negro, pobre é pobre e miserável é miserável. E a Constituição que vá para a pqp. Vocês selecionaram estes brasileiros e brasileiras, colocaram-nos no tronco, como eu faço com o meu gado, e os marcaram com ferro quente, para não deixar dúvida d e que são mal-nascidos. Não fizeram propriamente uma exclusão, mas fizeram, com certeza, publicamente, uma apartação étnica e social. E o PROUNI se transformou num balcão de empréstimo pró escolas superiores particulares de qualidade bem duvidosa, convalidadas pelo Ministério de Educação. Faculdades capengas, que estavam na UTI financeira e deveriam ter sido fechadas a bem da moralidade, da ética e da saúde intelectual, empresarial, cultural e política do País. A Câmara Federal endoidou? O Senado endoidou? O STJ endoidou? O ex-presidente e a atual presidentA endoidaram? Na década de 60 e 70 a gente lutou por uma escola de qualidade, laica, gratuita e democrática. A senhora disse que estava lá, nesta trincheira, se esqueceu disto, dona Dilma? Oi, por favor, alguém pare o trem que eu quero descer!

Uma escola pública decente, realista, sintonizada com um País empreendedor, com uma grade curricular objetiva, com professores bem remunerados, bem preparados, orgulhosos da carreira, felizes, é disto que o Brasil precisa. Para ontem. De ensino técnico, profissionalizante. Para ontem. Nossa grade curricular é tão superficial e supérflua, que o aluno chega ao final do ensino médio incapaz de conjugar um verbo, incapaz de localizar a oração principal de um período composto por coordenação. Não sabe tabuada. Não sabe regra de três. Não sabe calcular juros. Não sabe o nome dos Estados nem de suas capitais. Em casa não sabe consertar o ferro de passar roupa. Não é capaz de fritar um ovo. O estudante e a estudantA brasileiros só servem para prestar vestibular, para mais nada. E tomar bomba, o que é mais triste. Nossos meninos e jovens leem (quando leem), mas não compreendem o que leram. Estamos na rabeira do mundo, dona Dilma. Acorde! Digo isto com conhecimento de causa porque domino o assunto. Fui a vida toda professora regente da escola pública mineira, por opção política e ideológica, apesar da humilhação a que Minas submete seus professores. A educação de Minas é uma vergonha, a senhora é mineira (é?), sabe disto tanto quanto eu. Meu contracheque confirma o que estou informando.

Seu presente para as mães miseráveis seria muito mais aplaudido se anunciasse apenas duas decisões: um programa nacional de planejamento familiar a partir do seu exemplo, como mãe de uma única filha, e uma escola de um turno só, de doze horas. Não sabe como fazer isto? Eu ajudo. Releia Josué de Castro, A GEOGRAFIA DA FOME. Releia Anísio Teixeira. Releia tudo de Darcy Ribeiro. Revisite os governos gaúcho e fluminense de seu meio-conterrâneo e companheiro de PDT, Leonel Brizola. Convide o senador Cristovam Buarque para um café-amigo, mesmo que a Casa Civil torça o nariz. Ele tem o mapa da mina.

A senhora se lembra dos CIEPs? É disto que o Brasil precisa. De escola em tempo integral, igual para as crianças e adolescentes de todas as camadas, miseráveis ou milionárias. Escola com quatro refeições diárias, escova de dente e banho. E aulas objetivas, evidentemente. Com biblioteca, auditório e natação. Com um jardim bem cuidado, sombreado, prazeroso. Com uma baita horta, para aprendizado dos alunos e abastecimento da cantina. Escola adequada para os de zero a seis, para estudantes de ensino fundamental e para os de ensino médio, em instalações individuais para um máximo de quinhentos alunos por prédio. Escola no bairro, virando a esquina de casa. De zero a dezessete anos. Dê um pulinho na Finlândia, dona Dilma. No aerolula dá pra chegar num piscar de olhos. Vá até lá ver como se gerencia a educação pública com responsabilidade e resultado. Enquanto os finlandeses amam a escola, os brasileiros a depredam. Lá eles permanecem. Aqui a evasão é exorbitante. Educação custa caro? Depende do ponto de vista de quem analisa. Só que educação não é despesa. É investimento. E tem que ser feita por qualquer gestor minimamente sério e minimamente inteligente. Povo educado ganha mais, consome mais, come mais corretamente, adoece menos e recolhe mais imposto para as burras dos governos. Vale à pena investir mais em educação do que em caridade, pelo menos assim penso eu, materialista convicta.

Antes que eu me esqueça e para ser bem clara: planejamento familiar não tem nada a ver com controle de natalidade. Aliás, é a única medida capaz de evitar a legalização do controle de natalidade, que é uma medida indesejável, apesar de alguns países precisarem recorrer a ela. Uberlândia, inspirada na lei de Cascavel, Paraná, aprovou, em novembro de 1992, a lei do planejamento familiar. Nossa cidade foi a segunda do Brasil a tomar esta iniciativa, antecipando-se ao SUS. Eu, vereadora à época, fui a autora da mesma e declaro isto sem nenhuma vaidade, apenas para a senhora saber com quem está falando.

Senhora PresidentA, mesmo não tendo votado na senhora, torço pelo sucesso do seu governo como mulher e como cidadã. Mas a maior torcida é para que não lhe falte discernimento, saúde nem coragem para empunhar o chicote e bater forte, se for preciso. A primeira chibatada é o seu veto a este Código Florestal, que ainda está muito ruim, precisado de muito amadurecimento e aprendizado. O planeta terra é muito mais importante do que o lucro do agronegócio e a histeria da reforma agrária fajuta que vocês estão promovendo. Sou fazendeira e ao mesmo tempo educadora ambiental. Exatamente por isto não perco a sensatez. Deixe o Congresso pensar um pouco mais, afinal, pensar não dói e eles estão em Brasília, bem instalados e bem remunerados, para isto mesmo. E acautele-se durante o processo eleitoral que se aproxima. Pega mal quando um político usa a máquina para beneficiar seu partido e sua base aliada. Outros usaram? E daí? A senhora não é os outros. A senhora á a senhora, eleita pelo povo brasileiro para ser a presidentA do Brasil, e não a presidentA de um partidinho de aluguel, qualquer. 
Se conselho fosse bom a gente não dava, vendia. Sei disto, é claro. Assim mesmo vou aconselhá-la a pedir desculpas às outras mães excluídas do seu presente: as mães da classe média baixa, da classe média média, da classe média alta, e da classe dominante, sabe por quê? Porque somos nós, com marido ou sem marido, que, junto com os homens produtivos, geradores de empregos, pagadores de impostos, sustentamos a carruagem milionária e a corte perdulária do seu governo tendencioso, refém do PT e da base aliada oportunista e voraz.

A senhora, confinada no seu palácio, conhece ao vivo os beneficiários da Bolsa-família? Os muitos que eu conheço se recusam a aceitar qualquer trabalho de carteira assinada, por medo de perder o benefício. Estou firmemente convencida de que este novo programa, BRASIL CARINHOSO, além de não solucionar o problema de ninguém, ainda tem o condão de produzir uma casta inoperante, parasita social, sem qualificação profissional, que não levará nosso País a lugar nenhum. E, o que é mais grave, com o excesso de propaganda institucional feita incessantemente pelo governo petista na última década, o Brasil está na mira dos desempregados do mundo inteiro, a maioria qualificada, que entrarão por todas as portas e ocuparão todos os empregos disponíveis, se contentando até mesmo com a informalidade. E aí os brasileiros e brasileira vão ficar chupando prego, entregues ao deus-dará, na ociosidade que os levará à delinquência e às drogas.

Quem cala, consente. Eu não me calo. Aos setenta e quatro anos, o que eu mais queria era poder envelhecer despreocupada, apesar da pancadaria de 1964. Isto não está sendo possível. Apesar de ter lutado a vida toda para criar meus cinco filhos, de ter educado milhares de alunos na rede pública, o País que eu vou legar aos meus descendentes ainda está na estaca zero, com uma legislação que deu a todos a obrigação de votar e o direito de votar e ser votado, mas gostou da sacanagem de manter a maioria silenciosa no ostracismo social, alienada e desinteressada de enfrentar o desafio de lutar por um lugar ao sol, de ganhar o pão com o suor do seu rosto. Sem dignidade, mas com um título de eleitor na mão, pronto para depositar um voto na urna, a favor do político paizão/mãezona que lhe dá alguma coisa. Dar o peixe, ao invés de ensinar a pescar, est a foi a escolha de vocês.

A senhora não pediu minha opinião, mas vai mandar a fatura para eu pagar. Vai. Tomou esta decisão sem me consultar. Num país com taxa de crescimento industrial abaixo de zero, eu, agropecuarista, burro-de-carga brasileiro, me dou o direito de pensar em voz alta e o dever de me colocar publicamente contra este cafuné na cabeça dos miseráveis. Vocês não chegaram ao poder agora. Já faz nove anos, pense bem! Torraram uma grana preta com o FOME ZERO, o bolsa-escola, o bolsa-família, o vale-gás, as ONGs fajutas e outras esmolas que tais. Esta sangria nos cofres públicos não salvou ninguém? Não refrescou niente? Gostaria que a senhora me mandasse o mapeamento do Brasil miserável e uma cópia dos estudos feitos para avaliar o quantitativo de miseráveis apurado pelo Palácio do Planalto antes do anúncio do BRASIL CARINHOSO. Quero fazer uma continha de multiplicar e outra de dividir, só para saber qual a parte que me toca nesta chamada de capital. Democracia é isto, minha cara. Transparência. Não ofende. Não dói.

Ah, antes que eu me esqueça, a palavra certa é PRESIDENTE. Não sou impertinente nem desrespeitosa, sou apenas professora de latim, francês e português. Por favor, corrija esta informação.

Se eu mandar esta correspondência pelo correio, talvez ela pare na Casa Civil ou nas mãos de algum assessor censor e a senhora nunca saberá que desagradou alguém em algum lugar. Então vai pela internet. Com pessoas públicas a gente fala publicamente para que alguém, ciente, discorde ou concorde. O contraditório é muito saudável.

Não gostei e desaprovo o BRASIL CARINHOSO. Até o nome me incomoda. R$2,00 (dois reais) por dia para cada familiar de quem tem em casa uma criança de zero a seis anos, é uma esmolinha bem insignificante, bem insultuosa, não é não, dona Dilma? Carinho de presidentA da república do Brasil neste momento, no meu conceito, é uma campanha institucional a favor da vasectomia e da laqueadura em quem já produziu dois filhos. É mais creche institucional e laica. Mais escola pública e laica em tempo integral com quatro refeições diárias. É professor dentro da sala de aula, do laboratório, competente e bem remunerado. É ensino profissionalizante e gente capacitada para o mercado de trabalho.

Eu podia vociferar contra os descalabros do poder público, fazer da corrupção escandalosa o meu assunto para esta catilinária. Mas não. Prefiro me ocupar de algo mais grave, muitíssimo mais grave, que é um desvio de conduta de líderes políticos desonestos, chamado populismo, utilizado para destruir a dignidade da massa ignara. Aliciar as classes sociais menos favorecidas é indecente e profundamente desonesto. Eles são ingênuos, pobres de espírito, analfabetos, excluídos? Os miseráveis são. Mas votam, como qualquer cidadão produtivo, pagador de impostos. Esta é a jogada. Suja.

A televisão mostra ininterruptamente imagens de desespero social. Neste momento em todos os países, pobres, emergentes ou ricos, a população luta, grita, protesta, mata, morre, reivindicando oportunidade de trabalho. Enquanto isto, aqui no País das Maravilhas, a presidente risonha e ricamente produzida anuncia um programa de estímulo à vagabundagem. Estamos na contramão da História, dona Dilma!

Pode ter certeza de que a senhora conseguiu agredir a inteligência da minoria de brasileiros e brasileiras que mourejam dia após dia para sustentar a máquina extraviada do governo petista.

Último lembrete: a pobreza é uma consequência da esmola. Corta a esmola que a pobreza acaba, como dois mais dois são quatro.
Não me leve a mal por este protesto público. Tenho obrigação de protestar, sabe por quê? Porque, de cada delírio seu, quem paga a conta sou eu.

Atenciosamente,
Martha de Freitas Azevedo Pannunzio
Fazenda Água Limpa, Uberlândia, em 16-05-2012 

OBS.:- foi entregue em mãos à PRESIDENTE.

O valioso tempo dos maduros - Mario de Andrade

Dedico esta poesia "in memorian" de minha alma gêmea... Pessoa mais importante da minha vida, e que faz meu mundo continuar girando...

S A U D A D E. . . =[
O valioso tempo dos maduros
Mario de Andrade

"Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora.

Tenho muito mais passado do que futuro.

Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas.
As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.

Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.

Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.

Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral.

As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa...

Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana, que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade...

Só há que caminhar perto de coisas e pessoas de verdade.
O essencial faz a vida valer a pena.
E para mim, basta o essencial."

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

the smiths - the boy with the thorn in his side (HD)


Como eles podem olhar em meus olhos
E continuar sem acreditar em mim?
Como eles podem me ouvir dizer aquelas palavras
E continuar sem acreditar em mim?
E se eles não acreditam em mim agora
Eles vão acreditar algum dia?

Silvio Caldas - Torturante Ironia


Torturante ironia
Que mágoa neste abandono
Que ânsia perdi o sono
Vivo em tristonho cantar

Porque a canção mais aflita
É a forma que há mais bonita
Da gente poder chorar

Sobes este barranco
Sujando o vestido branco
Pisando as pedras do chão

Mas sem saber na verdade
Que desde lá da cidade
Tu pisas meu coração

Por ser do morro e moreno
É que eu soluço, é que eu peno
Bebendo meu amargor

Por que me negam querida
Esta alegria da vida
De possuir teu amor

Que torturante ironia
O amor com categoria
Eu amo e não posso amar

Porque a mulher que eu adoro
Não mora aqui onde eu moro
Deixe-me então soluçar.


quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Gestação - Alessandro Brito


Sonho: esperanças vãs; imaginação sem fundamento; fantasia; que dura pouco; ideias quiméricas... Até poderia assim ser definido, se não fosse ele que movesse o meu mundo.
Grandes feitos e conquistas partiram dos devaneios de alguém perante alguma coisa, real ou até então irreal, mais para utópico do que qualquer outra coisa, mas que se concretizaram.
Passei a compreender que sonhos não são coisas grandiosas, mas, apenas, desejos que levam um maior período de tempo para se realizarem. Vivemos dias em que a ansiedade assola- nos, é sem dúvida o mal do século. A tecnologia contemporânea fez-nos mal acostumados, temos nossas necessidades do dia a dia supridas em cliks, e toda essa instantaneidade confundiu nossos anseios sentimentais.
Desaprendemos o significado do ato "esperar"!  Simplesmente não sabemos  mais como lidar em situações de espera, e não estou falando de filas e afins, compartilho um "causo" de minha infância (e adolescência de muitos) para contextualizar:

Quando moleque não havia celular, e telefone era coisa séria, usado apenas pelos adultos, quando estava enamorado de alguma cabrochinha, a oportunidade que tinha de vê- la, era apenas no colégio, e em horários pontuais: Entrada 07:00 ou 13:00; recreio e super rápido 20 min ou  na saída 12:40 ou 18:20, se desse sorte dela ser da mesma sala, era a glória!
Nesses casos odiávamos o fim da sexta- feira, adormecíamos querendo acordar na segunda. Mas ao despertar do sábado era uma festa só... E vou confessar, sinto saudades dos papéis de carta moranguinho que colecionava, já que não havia como ligar, a noite gastava o tempo escrevendo poesias pras meninas. Presentes, ganhávamos no dia do aniversário, dia das crianças e no natal, isso quem tinha o luxo de ganhar todas estas datas... E nunca tivemos problemas com ansiedade, a não ser um dia antes das excursões.

Hoje, todos temos acesso a internet (redes sociais, talks), aparelhos celulares que enviam fotos e fazem vídeo conferência e até ligações, além de uma infinidade de tecnologias (aquela dos clicks) para comunicação instantânea. O fato é, não crescemos crianças impacientes, nem nos tornamos adultos depressivos com tendências suicidas, movidos puro e simplesmente pelo alto grau de ansiedade. Conseguíamos respeitar que para tudo na vida havia um tempo, e  sempre haverá, pois para realizar um sonho ou saciar um desejo, os mesmos demandarão de uma parcela de tempo. E não estou falando de destino (coisa da qual sou totalmente descrente) onde as coisas acontecem no "tempo" em que terão de acontecer, isso jamais!

Mas, sei que em algum momento tudo se confundiu, principalmente em relação aos sentimentos, o que se aprendeu e o que se aprende não está mais definido em passado, presente e futuro.
Os casais não se formam  porque há uma admiração recíproca, talvez haja sim uma ciosidade de uma mesmo futuro (estar em um relacionamento) e talvez por isso, hoje a sociedade apresente esse quadro doente de pessoas (casais) infelizes, desgostosos e sem rumo...

Ele não é verdadeiramente especial pra ela, e nem ela é especial pra ele, o que existe são lacunas que "precisam" ser preenchidas, e são, mas infelizmente sem critérios. Qualquer uma que venha preencher aquele espaço vazio é mais que um candidato em potencial, movidos por uma ansiedade latente, não existem uma triagem de afinidades, idéias, filosofias... não importa o quanto sejam incomuns, se ele está disposto a ficar com ela, é o suficiente, formou- se mais um casal feliz para sempre! Será mesmo?! E quando os conflitos devido as diferenças começarem a incomodar?
Aceito o argumento de que o amor é imprevisível! Também acho, só que estou convencido nobre leitor, que o ser humano não é tanto quanto. Imagino que um casal onde um é vegetariano e o outro amante de carne vermelha (aquele que só como se a carne estiver sangrando) em breve entrarão em conflito. Mas que asneira, todos sabemos que "os opostos se atraem". Que radicalismo da minha parte, não? Mas usarei de um último argumento na tentativa de fazê- los entender porque penso dessa forma: Vejam, lá na paraíba costumamos discordar de alguns chavões, e "os opostos se atraem" é um deles, por um simples fato, respeitar é coisa mais difícil que um ser humano pode fazer, e tem mais, o ser humano tem toda uma inclinação ao negativismo, analisamos primeiro os defeitos para depois nos render as qualidades, logo, uma triagem simples nos indicaria se esse candidato é realmente um candidato em potencial. Em um primeiro momento a ansiedade não nos permite uma análise racional, o medo de ficar "só", a insatisfação de estar "só" sobrepuja a racionalidade, mas ao entrar em um estado de "satisfação" e "segurança" a racionalidade vem a tona, e junto a tendência ao negativismo e claro, a falta de respeito inconsciente que praticamos todo tempo, infelizmente o resultado é mais um rompimento, que na maioria das vezes gerará uma série de novos problemas.

Um casal deve gestar a intimidade, pois ela é a triagem perfeita para que ambos possam conhecer e criticar as diferenças, mas gestação leva tempo, e o tempo nesse caso é quase antônimo de ansiedade. 

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Pombo correio - Gilberto Alves (1960)


E até o Sol, por pirraça,
Invadiu a vidraçaE o retrato dela desbotou.


VENHA, POR FAVOR - Fabrício Carpinejar

VENHA, POR FAVOR

Eu espero alguém que não desista de mim mesmo quando já não tem interesse. Espero alguém que não me torture com promessas de envelhecer comigo, que realmente envelheça comigo. Espero alguém que se orgulhe do que escrevo, que me faça ser mais amigo dos meus amigos e mais irmão dos meus irmãos. Espero alguém que não tenha medo do escândalo, mas tenha medo da

indiferença.

Espero alguém que ponha bilhetinhos dentro daqueles livros que vou ler até o fim. Espero alguém que se arrependa rápido de suas grosserias e me perdoe sem querer. Espero alguém que me avise que estou repetindo a roupa na semana. Espero alguém que nunca desista de conversar mesmo quando não sei mais falar. Espero alguém que, nos jantares entre os amigos, dispute comigo para contar primeiro como nos conhecemos.

Espero alguém que goste de dirigir para nos revezarmos em longas viagens. Espero alguém que confie se a porta está fechada e o café desligado, se meu rosto está aborrecido ou esperançoso. Espero alguém que prove que amar não é contrato, que o amor não termina com nossos erros. Espero alguém que não se irrite com a minha ansiedade. Espero alguém que possa criar toda uma linguagem cifrada para que ninguém nos recrimine. Espero alguém que arrume ingressos de teatro de repente, que me sequestre ao cinema, que cheire meu corpo suado como se ainda fosse perfume.

Espero alguém que não largue as mãos dadas nem para coçar o rosto. Espero alguém que me olhe demoradamente quando estou distraído, que goste de me telefonar para narrar como foi seu dia. Espero alguém que procure um espaço acolchoado em meu peito quando cansada. Espero alguém que minta que cozinha e só diga a verdade depois que comi. Espero alguém que leia uma notícia, veja que haverá um show de minha banda predileta, e corra para me adiantar por e-mail. Espero alguém que ame meus filhos como se estivesse reencontrando minha infância e adolescência fora de mim.

Espero alguém que fique me chamando para dormir, que fique me chamando para despertar, que não precise me chamar para amar. Espero alguém com uma vocação pela metade, uma frustração antiga, um desejo de ser algo que não se cumpriu, uma melancolia discreta, para nunca ser prepotente. Espero alguém que tenha uma risada tão bonita que terei sempre vontade de ser engraçado.

Espero alguém que comente sua dor com respeito e ouça minha dor com interesse. Espero alguém que prepare minha festa de aniversário em segredo e crie conspiração dos amigos para me ajudar. Espero alguém que pinte o muro onde passo, que não se perturbe com o que as pessoas pensam a nosso respeito. Espero alguém que vire cínico no desespero e doce na tristeza. Espero alguém que goste de domingo em casa, de acordar tarde e de andar de chinelos, e que me pergunte o tempo antes de olhar para as janelas.

Espero alguém que me ensine a me amar porque a separação apenas vem me ensinando a me destruir. Espero alguém que tenha pressa de mim, eternidade de mim, que chegue logo, que apareça hoje, que largue o casaco no sofá e não seja educada a ponto de estendê-lo no cabide. Espero encontrar uma mulher que me torne novamente necessário.

Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, p. 2, 18/09/2012
Porto Alegre (RS), Edição N° 17196

Sophia de Mello Breyner Andresen - in "O Nome das Coisas"

A Forma Justa Sei que seria possível construir o mundo justo
As cidades poderiam ser claras e lavadas
Pelo canto dos espaços e das fontes
O céu o mar e a terra estão prontos
A saciar a nossa fome do terrestre
A terra onde estamos — se ninguém atraiçoasse — proporia
Cada dia a cada um a liberdade e o reino
— Na concha na flor no homem e no fruto
Se nada adoecer a própria forma é justa
E no todo se integra como palavra em verso
Sei que seria possível construir a forma justa
De uma cidade humana que fosse
Fiel à perfeição do universo

Por isso recomeço sem cessar a partir da página em branco

E este é meu ofício de poeta para a reconstrução do mundo


Frase - Alessandro Brito

"O pouco que sei, é nada, perante o que quero saber".

Frase - Quando Nietzsche Chorou - p. 192.

Aportando em estado profundo de indigestão indeterminada!!!!!!

"O desespero é o preço pago pela autoconsciência. Olhe profundamente para dentro de si e sempre encontrará o desespero" 

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Zé do Norte: Lua Bonita (gravação original)


A nova geração conhece Lua Bonita pela bela regravação feita pelo maluco beleza Raul Seixas. No entanto, a música foi originalmente gravada em 1953 por Zé do Norte, autor da canção em parceria com Zé Martins, para a trilha sonora do clássico de Lima Barreto, "O Cangaceiro", que foi considerado o melhor filme de aventura do Festival de Cannes daquele ano. Nesse mesmo filme, Zé do Norte também lançou Mulher rendeira, outro clássico da MPB. Aliás, mesmo no Nordeste, esta música é tão enraizada no imaginário coletivo, que a maioria das pessoas a vêem como herança folclórica, de domínio público e autor desconhecido. A trilha do filme, que tem parte das músicas de outros autores, em muito contribuiu para tornar a música de Zé conhecida em todo mundo - Europa, EUA, União Soviética - já que, na época, a fita foi vista em 80 países e por quase 50 milhões de pessoas!

Texto de Enoque Feitosa informa que Alfredo Ricardo do Nascimento, ou melhor, Zé do Norte, nasceu em Cajazeiras em 18 de dezembro de 1908 e migrou para o Rio de Janeiro em 1926, ao completar 18 anos. Se vivo estivesse estaria completando, em 2009, 101 anos de uma vida marcada por intensa ligação com seu povo e sua cultura e por belíssimas músicas que fazem parte do cancioneiro nacional.

No Rio, na esteira da afirmação da música nordestina, através de Luiz Gonzaga, em programas da Rádio Nacional, criada após a Revolução de 30 por Getúlio Vargas, para estimular a difusão de uma Cultura Nacional-popular, Zé do Norte, foi descoberto pelo homem de teatro Joraci Camargo, autor de "Deus lhe Pague" e "Sindicato dos mendigos". Ao lado de outros que na mesma época eram atraídos pelo Rio, como João Pernambuco, Jaime Florence, (o Meira, que com o Dino 7 Cordas formou uma das mais duradouras duplas do violão brasileiro), Luperce Miranda, Jackson do Pandeiro, entre outros, Zé do Norte viu surgir a grande oportunidade de afirmação de seu talento, tendo nesse período de 1928 e até o final da década de 50 tido intensa participação na difusão da cultura e do cantar nordestino, na antiga capital federal.

Zé do Norte saiu de Cajazeiras praticamente analfabeto. Lá, foi funcionário da limpeza de um colégio particular e mesmo propondo trabalhar de graça para poder estudar, não foi aceito por que, conforme lembra nas suas memórias, o então diretor o informou que "aquele era um colégio exclusivo para pessoas de família". Mesmo assim, sem chances de obter educação formal, Zé não abriu mão de adquirir sólida formação humanista, que foi decisivo para vinculá-lo as suas raízes e produzir uma música bela e evocativa dos sentimentos de sua gente. Zé produziu cerca de 200 obras musicais, boa parte carecendo de um trabalho de catalogação. Sua obra é cantada hoje no Brasil e no exterior, embora nem sempre a fonte seja citada.

No período mais fértil da carreira de Joan Baez, ali nos anos 60, vários artistas, como Bob Dylan e a própria Baez foram buscar no folclore americano e na música da América Latina fonte de inspiração. E é num de seus primeiros discos, o "Joan Baez 5", que encontramos a "Mulher Rendeira", com o título de "O Cangaceiro" e com o Zé do Norte com seu nome de batismo completo, Alfredo Ricardo do Nascimento. Nesse mesmo disco, Baez gravou a "Quinta Bachiana", de Villa-Lobos.

Na MPB uma outra canção sua muito conhecida é "Sodade, meu bem, sodade", toada gravada pela primeira vez por Vanja Orico, em 53. É dele também "Meu Pião", que gravou em 71 e que tornou-se conhecida na voz de Geraldo Azevedo. Suas músicas, além de evocativa das coisas sertanejas, têm muito lirismo, como se vê em "Sapato de algodão ("eu fui dançar/ com meu sapato de algodão/ o sapato pegou fogo/ eu fiquei de pé no chão"),

Zé do Norte só voltou a Paraíba quase 60 anos depois, em 1985, para ser homenageado em um festival cultural. O conjunto de sua contribuição à MPB e as Culturas Nacional e Regional é imensa e ainda pouco conhecida, sendo utilizada, como é o caso de "O lobisomem de Cajazeiras", em textos teatrais e novelas de TV, em nome de outros autores. Ele foi um representante típico daqueles artistas enquadrados na definição de Tolstoi: "Sou universal ao falar de minha aldeia. Descreva sua terra e assim estarás descrevendo o mundo todo". Zé morreu em 4 de janeiro de 1992 no Rio de Janeiro.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Se eu te dissesse - Castro Alves

Se eu te dissesse que cindindo os mares,
Triste, pendido sobre a vítrea vaga,
Eu desfolhava de teu nome as pétalas
Ao salso vento, que as marés afaga...

Se eu te dissesse que por ermos cimos,
Por ínvios trilhos de uni país distante,
Teu casto riso, teu olhar celeste
Ungia o lábio ao viajor errante;

Se eu te dissesse que do alvergue à ermida,
Do monte ao vale, da chapada à selva,
Junta comigo vagueou tua alma;
Junta comigo pernoitou na relva;

Se eu te dissesse que ao relento frio
Dei minha fronte à viração gemente,
E olhando o rumo de teu lar — saudoso,
Molhei as trevas de meu pranto algente;

Se eu te dissesse, bela flor das saias!
Que eu dei teu nome dos sertões às flores!...
E ousei, na trova em que os pastores gemem,
Por ti, senhora, improvisar de amores;

Se eu te dissesse que tu foste a concha
Que o peregrino traz da Terra Santa,
Mago amuleto que no seio mora,
Doce relíquia... talismã que encanta!... ;

Se eu te dissesse que tu foste a rosa
Que ornava a gorra ao menestrel divino;
Cruz que o Templário conchegava ao peito
Quando nas naves reboava o hino;

Se eu te dissse que tu és, criança!
O anjo-da-guarda que me orvalha as preces...;
Se eu te disserte... — Foi talvez mentira! —
Se eu te dissesse... Tu talvez dissesses...

Santa Isabel, 15 de agosto de 1870. (EF: OC, p. 459-460)