sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Manteiga de Garrafa - Martinho da Vila (1977)

Acordei com a melodia fritando a mente...

Pois é... pois é
Eu só sei dizer
Que o amor é lindo

Eu não vou ficar tão longe
Tão distante dos seus pelos
Vou voar pros seus cabelos
E vou lhe dar mamadeira
E então me banhar na lava
Do vulcão que existe em você
Eu quero lhe transar
Eu quero lhe curtir
Eu quero lhe entender


quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Algoz - Paulo Mathias

Amarrado e amordaçado, meus olhos estão vendados.
Ouço os passos do meu opressor.
Lentamente aproxima se.
Parece que estuda como me fará maior mal.
Sem pressa, prepara-se.
Minha maior pergunta é como fui capturado?
Não lembro, não sei!
Se sei, pareço esquecer.
Recordações desencontradas vem à tona.
Estou entorpecido? Será?
Não pode ser! Justo eu!
Não acredito...
Suavemente o primeiro golpe é desferido.
A mordaça é retirada.
Sinto o aço cortante... Deus do céu sangue...
A dor é abafada por meus gritos de clemência
O algoz parece divertir se.
Não o vejo...
Interessa negociar minha vida?
De repente o conheço!
Percebo seu riso sarcástico.
Sem palavra alguma, o algoz retira se.
Foi embora? Atendeu meus pedidos?
Estou salvo?
Adormeço...
Perco a noção do tempo
Quantas horas? Quantos dias estou aqui?
Nada se desvenda, meu desespero aumenta.
Brinde?  Meus sentidos estão embaralhados.
Uma voz percorre meus ouvidos.
Melhorou? Está bem?
Parece familiar, mas ainda não sei quem poderia ser.
Ouvindo aquele som complacente, acreditei estar melhor
Respondi:
Sim, agora acredito estar...
Gargalhadas aos montes...
Nesse momento sinto um, dois, três, quatro golpes com violência.
Minhas pernas tremem, meu corpo dobra se diante de tamanha brutalidade.
 O êxtase do algoz enche o ambiente.
 Mas ainda posso falar!

Por que estou sofrendo isso, repito de maneira ensandecida
Por quê?
Por quê?
A resposta oferecida foi simples:
 --- A vida é feita de escolhas, e minha escolha é essa!
O algoz afirma ter escolhido me fazer sofrer!
Mas por quê?
Eu sei que não mereço!
As palavras frias revelam que o maior mandamento do algoz é:
“ama a si mesmo, acima de tudo”
Despreze os outros!

Juro que não podia entender.

Minha venda é retirada.
Meus olhos se abrem com dificuldade.
Um vulto, uma silhueta conhecida.
Quem é?
O algoz aproxima se...
Nãoooooooo, Nãoooooooo !
Você não!
Todos no mundo menos você.
Como acreditar?
Com requintes de crueldade o algoz fita me.
Terror...
Agora são olhos nos olhos.
Os mesmos que há tempos atrás, olhavam-me com carinho.
Como entender?
Pergunto por nossa amizade.
Meu algoz tem a delicadeza de explicar...
Com calma, mostra-me o que eu tentava não enxergar.
Declara que tem como amigos meus inimigos.
Deixa claro que os sentimentos são mutáveis...

Ainda acho complicado entender tudo isso!

Supliquei

--- Pai não afasta de mim esse cálice!
Preciso beber, preciso sentir o gosto amargo!
Talvez eu acorde de um sonho...
Não pode ser quem comigo vivia!

Meu corpo já não resiste...
Os ferimentos são diversos,
Racionalmente falando
“Não deu, não dava, não daria de jeito nenhum”,

Resta-me o golpe de misericórdia, e antes de ferir-me,
Ele pede que eu entenda!
Mostra se obtuso e cheio de razões.
A vaidade e a soberba brilham em seu rosto.

Nesse momento as sensações são diversas e confusas.
Não darei ao meu algoz,
O gosto de ver ódio em meu rosto.
Meus sentimentos de amor e amizade sempre tão presentes, irão comigo!
Como troféu de guerra.  !
Recebo o ultimo golpe...
A força com que é desferido é tremenda.
Ele vem de uma vez e corta os cordões sentimentais.
Destrói meu peito, e expõe meu coração.
Que bate por mais alguns segundos

De repente
O coração para...
Sinto-me leve...
Descubro que até em meu ultimo suspiro,
Morri aprendendo,
Sendo levado não sei como,
Nem por qual caminho.

Aprendo que o golpe de misericórdia,
È um instrumento libertador.
Liberto estou!
Não me sinto sofredor,
E sei que de hoje em diante,
Mesmo sem saber onde estou,
Não vivo mais por quem não entende o amor!

TENHO DESEJO - NELSON GONÇALVES

Seja impotente prá dizer sou inocente.
No meu acesso só desejo castigá-la
Espezinhá-la dando vaza ao meu desejo
Mas, entretanto, tudo que almejo
É enlaçá-la e sufocá-la num só beijo.
Tenho desejo de ofendê-la e magoá-la...
(até o final)

sábado, 24 de dezembro de 2011

Diego Orey

Meu irmãozinho amado... está aqui comigo! Sempre!!!!!!

Geni e o Zepelim - Chico Buarque

NATAL... ÉPOCA EM QUE AS PESSOAS SE TORNAM MAIS ASQUEROAS E NOJENTAS DO QUE NUNCA, EM QUE O PRESENTE MAIS COMERCIALIZADO É SEM DÚVIDA, DISPARADO, A HIPOCRISIA!

Monólogo de natal - Aldemar Paiva (Jornalista e radialista pernambucano)

Dedico este texto a minha saudosa irmã Patrícia de Brito Lima, que se foi em 2005 aos 28 anos! Saudade amada...

Monólogo de Natal 

Não gosto de você, Papai Noel!
Também não gosto desse seu papel
de vender ilusões à burguesia.
Se os garotos humildes da cidade
soubessem do seu ódio à humildade,
jogavam pedras nessa fantasia!

Você talvez nem se recorde mais.
Cresci depressa e me tornei rapaz,
sem esquecer no entanto o que passou.
Fiz-lhe bilhete pedindo um presente,
a noite inteira eu esperei contente,
chegou o sol e você não chegou.

Dias depois, meu pobre pai cansado
trouxe um trenzinho velho, empoeirado,
que me entregou com certa hesitação.
Fechou os olhos e balbuciou:
"É pra você... Papai Noel mandou..."
E se esquivou contendo a emoção.

Alegre e inocente nesse caso,
pensei que meu bilhete com atraso
chegara às suas mãos no fim do mês.
Limpei o trem, dei corda, ele partiu,
deu muitas voltas, meu pai sorriu
e me abraçou pela última vez.

O resto só eu pude compreender
quando cresci e comecei a ver
todas as coisas com realidade.
Meu pai chegou um dia e disse, a medo:
"Onde é que está aquele seu brinquedo?
Eu vou trocar por outro na cidade".

Dei-lhe o trenzinho quase a soluçar,
e como quem não quer abandonar
um mimo que lhe deu quem lhe quer bem,
disse medroso: "Eu só queria ele...
Não quero outro brinquedo, quero aquele
E por favor, não vá levar meu trem".

Meu pai calou-se e pelo rosto veio
descendo um pranto que eu ainda creio,
tão puro e santo, só Jesus chorou.
Bateu a porta com muito ruído,
mamãe gritou, ele não deu ouvidos,
saiu correndo e nunca mais voltou.

Você, Papai Noel, me transformou
num homem que a infância arruinou,
Sem pai e sem brinquedos. Afinal,
dos seus presentes, não há um que sobre
para a riqueza do menino pobre
que sonha o ano inteiro com o Natal!

Meu pobre pai doente, mal vestido,
pra não me ver assim desiludido,
comprou por qualquer preço uma ilusão:
num gesto nobre, humano, decisivo,
foi longe pra trazer-me um lenitivo,
roubando o trem do filho do patrão.

Pensei que viajara. No entanto
depois de grande, minha mãe, em pranto,
contou que fora preso. E como réu,
ninguém a absolvê-lo se atrevia.
Foi definhando, até que Deus um dia
entrou na cela e o libertou pro céu!



O texto do jornalista e radialista pernambucano Aldemar Paiva, é um clássico da poesia brasileira, criticado durante muitos anos pelo contundente e melancólico tom de contestação aos chamados “valores burgueses” desta tradicional festa natalina. Muitos leitores mudaram, a partir desta crítica, suas concepções sobre uma data que celebra a imagem daquele "bom velhinho de barbas brancas" que distribui presentes a algumas crianças. Já outras...


A evaristo Carriego - Trio Contempo

PUTZ!

Quejas de Bandoneón-Sexteto Mayor (en función privada)

Absurdamente lindo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

SERENATA DO ADEUS - CLARA NUNES

Ai, a lua que no céu surgiu
Não é a mesma que te viu
Nascer nos braços meus
Cai, a noite sobre o nosso amor
E agora só restou do amor
Uma palavra : Adeus
Ai, vontade de ficar mas tendo que ir embora
Ai, que amar é se ir morrendo pela vida afora
É refletir na lágrima, um momento breve
De uma estrela pura cuja luz morreu
Ai, mulher, estrela a refulgir
Parte, mas antes de partir

Rasga meu coração
Crava as garras no meu peito em dor
E esvai em sangue todo o amor
Toda desilusão
Ai, vontade de ficar mas tendo que ir embora
Ai, que amar é se ir morrendo pela vida afora
É refletir na lágrima um momento breve
De uma estrela pura cuja luz morreu

Meu fim (Cardeal arco verde)

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

DECLARAÇÃO DE AMOR E PEDIDO DE CASAMENTO PELA WEB

EU SOU MAIS SINESTÉSICO...rs Mas valeu o lance dos amigos apoiarem e participarem do vídeo... e a sensibilidade do rapaz (foda-se o que os outros irão dizer) em ser ORIGINAL!
Se foi real ou não, não sei... mas sei que admiro e respeito a originalidade!
Sensacional!!!!!!

P.S.: Claro que foi brega... mas lembre-se o amor, se há amor, é brega!
#ficaadica

Prece ao sol - Candeia

Oh sol como és belo no arrebol
Quando estás no poente eu sinto
Os teus raios ardentes
Só saudade não minto ao nascer do sol

A natureza se enriquece de tal beleza
E aquece as mais lindas flores
Belas rosas e belos jasmins desabrocham nos lindos jardins

Quero exaltar os raios multicores
Queimar a saudade dos meus amores
Quero cantar a prece da esperança
E rever o carnaval toda manhã em que amanhece o sol

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

AI QUEM ME DERA - CLARA NUNES

Ai, quem me dera terminasse a espera
Retornasse o canto simples e sem fim
E ouvindo o canto se chorasse tanto
Que do mundo o pranto se estancasse enfim

Ai, quem me dera ver morrrer a fera
Ver nascer o anjo, ver brotar a flor
Ai, quem me dera uma manhã feliz
Ai, quem me dera uma estação de amor

Ah, se as pessoas se tornassem boas
E cantassem loas e tivessem paz
E pelas ruas se abraçassem nuas
E duas a duas fossem casais

Ai, quem me dera ao som de madrigais
Ver todo mundo para sempre afim
E a liberdade nunca ser demais
E não haver mais solidão ruim

Ai, quem me dera ouvir o nunca-mais
Dizer que a vida vai ser sempre assim
E, finda a espera, ouvir na primavera
Alguém chamar por mim

Frase - Leon Tolstoi

Aquele que conheceu apenas a sua mulher, e a amou, sabe mais de mulheres do que aquele que conheceu mil.
Leon Tolstoi

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

O mar - Dorival Caymmi (1959)

O mar quando quebra na praia
É bonito, é bonito

O mar... pescador quando sai
Nunca sabe se volta, nem sabe se fica
Quanta gente perdeu seus maridos seus filhos
Nas ondas do mar

O mar quando quebra na praia
É bonito, é bonito

Pedro vivia da pesca
Saia no barco
Seis horas da tarde
Só vinha na hora do sol raiá

Todos gostavam de Pedro
E mais do que todas
Rosinha de Chica
A mais bonitinha
E mais bem feitinha
De todas as mocinha lá do arraiá

Pedro saiu no seu barco
Seis horas da tarde
Passou toda a noite
Não veio na hora do sol raiá
Deram com o corpo de Pedro
Jogado na praia
Roído de peixe
Sem barco sem nada
Num canto bem longe lá do arraiá

Pobre Rosinha de Chica
Que era bonita
Agora parece
Que endoideceu
Vive na beira da praia
Olhando pras ondas
Andando rondando
Dizendo baixinho
Morreu, morreu, morreu, oh...

O mar quando quebra na praia

Pressentimento - Elton Medeiros

ai! ardido peito
quem irá entender o teu segredo?
quem ira pousar em teu destino?
e depois morrer do teu amor?

ai! mas quem virá?
me pergunto a toda hora
e a resposta é o silêncio
que atravessa a madrugada

vem meu novo amor
vou deixar a casa aberta
já escuto os teus passos
procurando meu abrigo

vem, que o sol raiou
os jardins estão florindo
tudo faz pressentimento
que este é o tempo ansiado
de se ter felicidade.


sábado, 17 de dezembro de 2011

Homenagem a Manacéa 2 Filme DSCN0259

Um terreiro... os amigos... uma cachaça é claro... O resto é tudo banalidade!!!!!
P.S.: Claro que nesse meio tem sempre a receptividade de desengomar uma cabrochinha né!!!!!

Homenagem a Manacéa Filme DSCN0258.AVI

Glória ao nosso glorioso samba, todos os dias!

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

*Estamos com fome de amor* - Arnaldo Jabor

A diferença entre ler um livro ou um fragmento de um, na internet, é que não podemos confiar na fonte! rs Não tenho certeza se o texto é realmente do "homem" aí, mas é sem dúvida um ótimo texto! Vale a leitura!

P.S.: Vale reavaliar também os pré-conceitos rsrs (toma essa). kkkkkkkkkkkkkk

*Estamos com fome de amor*

O que temos visto por ai??? Baladas recheadas de garotas lindas, com roupas cada vez mais micros e transparentes.

Com suas danças e poses em closes ginecológicos, cada vez mais siliconadas, corpos esculpidos por cirurgias plasticas, como se fossem ao supermercado e pedissem o corte como se quer mas... chegam sozinhas e saem sozinhas...

Empresários, advogados, engenheiros, analistas, e outros mais que estudaram, estudaram, trabalharam, alcançaram sucesso profissional e, sozinhos...

Tem mulher contratando homem para dançar com elas em bailes, os novíssimos "personal dancer", incrível.

E não é só sexo não! Se fosse, era resolvido fácil, alguém tem dúvida?

Sexo se encontra nos classificados, nas esquinas, em qualquer lugar, mas apenas sexo!

Estamos é com carência de passear de mãos dadas, dar e receber carinho, sem necessariamente, ter que depois mostrar performances dignas de um atleta olímpico na cama ... sexo de academia . . .

Fazer um jantar pra quem você gosta e depois saber que vão "apenas" dormir abraçadinhos, sem se preocuparem com as posições cabalisticas...

Sabe essas coisas simples, que perdemos nessa marcha de uma evolução cega.

Pode fazer tudo, desde que não interrompa a carreira, a produção...

Tornamo-nos máquinas, e agora estamos desesperados por não saber como voltar a "sentir", só isso, algo tão simples que a cada dia fica tão distante de nós...

Quem duvida do que estou dizendo, dá uma olhada nos sites de relacionamentos "ORKUT", "PAR-PERFEITO" e tantos outros, veja o número de comunidades como: "Quero um amor pra vida toda!", "Eu sou pra casar!" até a desesperançada "Nasci pra viver sozinho!"

Unindo milhares, ou melhor, milhões de solitários, em meio a uma multidão de rostos cada vez mais estranhos, plásticos, quase etéreos e inacessíveis, se olharmos as fotos de antigamente, pode ter certeza de que não são as mesmas pessoas, mulheres lindas se plastificando, se mutilando em nome da tal "beleza"...

Vivemos cada vez mais tempo, retardamos o envelhecimento, e percebemos a cada dia mulheres e homens com cara de bonecas, sem rugas, sorriso preso e cada vez mais sozinhos...

Sei que estou parecendo o solteirão infeliz, mas pelo contrário...

Pra chegar a escrever essas bobagens (mais que verdadeiras) é preciso ter a coragem de encarar os fantasmas de frente e aceitar essa verdade de cara limpa...

Todo mundo quer ter alguém ao seu lado, mas hoje em dia isso é julgado como feio, démodê, brega, familias preconceituosas...

Alô gente!!! Felicidade, amor, todas essas emoções fazem-nos parecer ridículos, abobalhados...

Mas e daí? Seja ridículo, mas seja feliz e não seja frustrado...

"Pague mico", saia gritando e falando o que sente, demonstre amor...

Você vai descobrir mais cedo ou mais tarde que o tempo pra ser feliz é curto, e cada instante que vai embora não volta mais...

Perceba aquela pessoa que passou hoje por você na rua, talvez nunca mais volte a vê-la, ou talvez a pessoa que nada tem a ver com o que imaginou mas que pode ser a mulher da sua vida...

E, quem sabe ali estivesse a oportunidade de um sorriso a dois...

Quem disse que ser adulto é ser ranzinza ?

Um ditado tibetano diz: "Se um problema é grande demais, não pense nele... E, se ele é pequeno demais, pra quê pensar nele?"

Dá pra ser um homem de negócios e tomar iogurte com o dedo, assistir desenho animado, rir de bobagens e ou ser um profissional de sucesso, que adora rir de si mesmo por ser estabanado...

O que realmente, não dá é para continuarmos achando que viver é out... ou in...

Que o vento não pode desmanchar o nosso cabelo, que temos que querer a nossa mulher 24 horas, maquiada, e que ela tenha que ter o corpo das frutas tão em moda, na TV, e também na playboy e nos banheiros, eu duvido que nós homens queiramos uma mulher assim para viver ao nosso lado, para ser a mãe dos nossos filhos, gostamos sim de olhar, e imaginar a gostosa, mas é só isso, as mulheres inteligentes entendem e compreendem isso.

Queira do seu lado a mulher inteligente: "Vamos ter bons e maus momentos e uma hora ou outra, um dos dois, ou quem sabe os dois, vão querer pular fora, mas se eu não pedir que fique comigo, tenho certeza de que vou me arrepender pelo resto da vida"...

Porque ter medo de dizer isso, porque ter medo de dizer: "amo você", "fica comigo", então não se importe com a opinião dos outros, seja feliz!

Antes ser idiota para as pessoas que infeliz para si mesmo!

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Todas as mulheres - Alessandro Brito

Todas as mulheres vem de um amor machucado... e todas as vezes tenho duas opções:
Posso ser um tremendo canalha e me valer desse momento de fragilidade e vulnerabilidade e lhe dizer tudo o que ela deseja ouvir (coisa que normalmente as "melhores" amigas fazem), e me aproveitar da situação, e por vezes fingir uma compreensão que não me pertence, um romantismo que não me pertence, uma afeto que por vezes não existe, e a lista se estende quase que infinitamente... O fato é, que, o final da história dessa opção, tem prazo de validade.
Mas posso também ser sincero comigo e tentar fazer a diferença.. Sempre esperamos que o outro faça a diferença para que possamos então nos entregar, como dito em outra ocasião, estou sempre no contra fluxo, logo, procuro eu ser a diferença. E que ironia, sempre que usamos de sinceridade, elas simplesmente se assustam. Quando quebramos as barreiras da medíocridade dos "romances perfeitos americanos" elas simplesmente recuam. E eu? O que faço?
Entendam, queremos apenas que respeitem nossa audácia,  que valorizem a coragem de nossa entrega, nós também entramos em estado de vulnerabilidade (tal qual como vocês) quando nos mostramos sem máscaras, e fazemos contando os riscos, fazemos afim de lhes mostrar que existe sim, quem possa querer ter um caminho cioso da mesma felicdade que procuras. (São raras as mulheres que também são audaciosas, e a elas, tenho toda admiração).

Hoje tenho uma nova visão da música:  "Terezinha - Chico Buarque"


O primeiro me chegou
Como quem vem do florista:
Trouxe um bicho de pelúcia,
Trouxe um broche de ametista.
Me contou suas viagens
E as vantagens que ele tinha.
Me mostrou o seu relógio;
Me chamava de rainha.
Me encontrou tão desarmada,
Que tocou meu coração,
Mas não me negava nada
E, assustada, eu disse "não".
O segundo me chegou
Como quem chega do bar:
Trouxe um litro de aguardente
Tão amarga de tragar.
Indagou o meu passado
E cheirou minha comida.
Vasculhou minha gaveta;
Me chamava de perdida.
Me encontrou tão desarmada,
Que arranhou meu coração,
Mas não me entregava nada
E, assustada, eu disse "não".
O terceiro me chegou
Como quem chega do nada:
Ele não me trouxe nada,
Também nada perguntou.
Mal sei como ele se chama,
Mas entendo o que ele quer!
Se deitou na minha cama
E me chama de mulher.
Foi chegando sorrateiro
E antes que eu dissesse não,
Se instalou feito posseiro
Dentro do meu coração.

Mais uma saudade...

Saudade meu irmãozinho Diego! Te amo =/


Lágrimas caem quem já passou no sofrimento
Coração bate acelerado mó saudade
Na minha vida toda só tive arrebento
Família minha, meus amigos de verdade
Era muito longe as vezes não tinha visita
Graças a Deus os companheiros lá da ilha
Sempre chegaram e nunca esqueceram de mim
Em qualquer situação eu ia até o fim
Mais mesmo assim a saudade continuava
E a depressão dominava na madrugada
E lá no pátio na direta andava só
Os companheiros diziam conversa que é melhor
Um dia que igual aos outros estava fazendo uma letra
Dos amigos meus que estão bem lá no céu
No mesmo dia tinha atracado um sedex
Do meu pai escrito, Eduardo a saudade é cruel
Você seguiu essa vida porque tu quis
Eu e sua mãe que te amamos estamos aqui
Infelizmente tu se encontra ai
A nossa vida aqui fora ta infeliz.
Caem lágrimas, caem agora
E vão embora, no rosto rolam, rolam, rolam
Varias lágrimas caem agora,
E vão embora
No rosto rolam
De quem te adoram
No rosto rolam
Lágrimas !

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Notícias de uma Guerra Particular (5/6)

Triste... muito triste... "Não importa os motivos da guerra, a paz é ainda mais importante".

domingo, 11 de dezembro de 2011

Até Pensei - Nana Caymmi

Composição: Chico Buarque

Junto à minha rua havia um bosque
Que um muro alto proibia
Lá todo balão caia, toda maçã nascia
E o dono do bosque nem via
Do lado de lá tanta aventura
E eu a espreitar na noite escura
A dedilhar essa modinha
A felicidade morava tão vizinha
Que, de tolo, até pensei que fosse minha
Junto a mim morava a minha amada
Com olhos claros como o dia
Lá o meu olhar vivia
De sonho e fantasia
E a dona dos olhos nem via
Do lado de lá tanta ventura
E eu a esperar pela ternura
Que a enganar nunca me vinha
Eu andava pobre, tão pobre de carinho
Que, de tolo, até pensei que fosses minha
Toda a dor da vida me ensinou essa modinha

sábado, 10 de dezembro de 2011

Friedrich - Assim falava Zaratustra.

"Tenho sempre junto a mim uma presença importuna", pensa o solitário. "A repetição de um vezes um, acaba por fazer dois, com o decorrer do tempo.
Eu e Mim lançaram-se num diálogo demasiado veemente, Como seria ele suportável, se não houvesse o amigo?"
Para o solitário, o amigo é sempre um terceiro; o terceiro é a valvula que impede a conversação dos dois de se abismar nas profundidades.
Ai! existem sempre demasiados abismos para todos os solitários. É por isso que têm uma tal sede do amigo, e à sua altura.
A nossa fé em outrem revela aquilo que desejariamos poder acreditar de nós próprios. O nosso desejo de um amigo acaba por nos trair.
E muitas vezes a amizade só serve para saltar por cima da inveja. E muitas vezes só atacamos e criamos um inimigo para escondermos que somos vulneráveis.
"Sê, de todos, o menos meu inimgo!"-assim fala o verdadeiro respeito que não ousa solicitar a amizade.
Se quisermos ter um amigo, é preciso também lutar por ele; e para lutar é mister poder ser inimigo.
É preciso honrar no amigo o próprio inimigo.
Podes aproximar-te do teu amigo sem passar para o seu campo?
É preciso ter no amigo o melhor inimigo. É resistindo-lhe que ficarás mais perto do seu coração.
Não queres usar nenhum véu para o teu amigo?
Pensas honrá-lo mostrando-te tal como és? Mas para te agradecer, ele manda-te para o diabo.
O que não dissimula nada de si, excita a nossa indignação; eis porque vos é tão necessário renunciar à nudez. Se fôsseis deuses, decerto, seria dos vossos vestidos que teríeis vergonha.
Nunca te adornarás de mais para o teu amigo; porque deves ser para ele a seta do desejo lançado para o Super-Homem.
Já viste dormir o teu amigo, para o conheceres tal como é? Qual é então o seu rosto habitual do teu amigo? É o teu próprio rosto, visto num espelho tosco e imperfeito.
Já viste dormir o teu amigo? Não tiveste medo vendo-o tal como é? Ó, meu amigo, o Homem é o que deve ser ultrapassado.
É preciso que o amigo se tenha tornado mestre na arte de adivinhar e de se calar; defende-te de querer ver tudo. Que o teu sonho te revele o que faz o teu amigo que vela.
Seja a tua compaixão adivinhadora; sabe primeiro se o teu amigo deseja a tua compaixão. Talvez ame em ti o olhar passível e a contemplação da eternidade.
Que a tua compaixão pelo teu amigo se dissimule sob uma rude casca; parte um dente sobre esta compaixão; ela terá então finura e suavidade.
Serás para o teu amigo ar puro e solidão, e pão e reconforto? Mais de um que não pode quebrar as suas próprias cadeias soube todavia libertar o seu amigo.
És escravo? Não poderás ser amigo. És tirano? Não poderás ter amigos...

Há tanto pra dizer - Wando

Frase - Mario Lago

Fiz um acordo de coexistência pacífica com o tempo: Nem ele me persegue, nem eu fujo dele, um dia a gente se encontra.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Neil Young - Heart of gold

Heart of Gold

I wanna live, I wanna give
I've been a miner for a heart of gold
It's these expressions that never give
Keeps me searching for a heart of gold
And I'm getting old
They keep me searching for a heart of gold
And I'm getting old

I've been to Hollywood, I've been to redwood
I've crossed the ocean for a heart of gold
I've been in my mind, its such a fine line,
That keeps me searching for a heart of gold
And I'm getting old
It keeps me searching for a heart of gold
And I'm getting old

Keeps me searching for a heart of gold,
Keeps me searching and I'm growing old
Keeps me searching for a heart of gold
I've been a miner for a heart of gold
And I'm getting old.

Coração de Ouro

Eu quero viver, Eu quero doar
Eu tenho cavado em busca de um coração de ouro
São estas expressões que eu não abro mão
Que me mantém procurando por um coração de ouro
E estou envelhecendo
Eles me mantém procurando por um coração de ouro
Estou envelhecendo

Eu estive em Hollywood, Eu estive em Redwood
Atravessei o oceano por um coração de ouro
Eu estive em minha mente, é uma linha tão tênue
Que me mantém procurando por um coração de ouro
Estou envelhecendo
Me mantenho na busca por um coração de ouro
E eu estou envelhecendo

Me mantenho na busca por um coração de ouro
Me mantenho na busca e estou envelhecendo
Me mantenho na busca por um coração de ouro
Eu tenho cavado na busca por um coração de ouro
Estou envelhecendo

Valsinha - Chico Buarque (1971)

 Composição: Chico Buarque e Vinícius de Moraes

Um dia ele chegou tão diferente do seu jeito de sempre chegar
Olhou-a de um jeito muito mais quente do que sempre costumava olhar
E não maldisse a vida tanto quanto era seu jeito de sempre falar
E nem deixou-a só num canto, pra seu grande espanto, convidou-a pra rodar
E então ela se fez bonita como há muito tempo não queria ousar
Com seu vestido decotado cheirando a guardado de tanto esperar
Depois os dois deram-se os braços como há muito tempo não se usava dar
E cheios de ternura e graça, foram para a praça e começaram a se abraçar
E ali dançaram tanta dança que a vizinhança toda despertou
E foi tanta felicidade que toda cidade se iluminou
E foram tantos beijos loucos, tantos gritos roucos como não se ouvia mais
Que o mundo compreendeu, e o dia amanheceu em paz

Mulheres de Atenas - Chico Buarque

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Vivem pros seus maridos
Orgulho e raça de Atenas

Quando amadas, se perfumam
Se banham com leite, se arrumam
Suas melenas
Quando fustigadas não choram
Se ajoelham, pedem imploram
Mais duras penas; cadenas

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Sofrem pros seus maridos
Poder e força de Atenas

Quando eles embarcam soldados
Elas tecem longos bordados
Mil quarentenas
E quando eles voltam, sedentos
Querem arrancar, violentos
Carícias plenas, obscenas

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Despem-se pros maridos
Bravos guerreiros de Atenas

Quando eles se entopem de vinho
Costumam buscar um carinho
De outras falenas
Mas no fim da noite, aos pedaços
Quase sempre voltam pros braços
De suas pequenas, Helenas

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas:
Geram pros seus maridos,
Os novos filhos de Atenas.

Elas não têm gosto ou vontade,
Nem defeito, nem qualidade;
Têm medo apenas.
Não tem sonhos, só tem presságios.
O seu homem, mares, naufrágios...
Lindas sirenas, morenas.

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Temem por seus maridos
Heróis e amantes de Atenas

As jovens viúvas marcadas
E as gestantes abandonadas
Não fazem cenas
Vestem-se de negro, se encolhem
Se conformam e se recolhem
Às suas novenas
Serenas

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Secam por seus maridos
Orgulho e raça de Atenas


quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Boldrin Homem Não Chora



Hoje aqui, oiando pra vancê meu pai,
To me alembrando quanto tempo faz
Que pela primeira vez na vida eu chorei.
Não foi quando nasci pru que sei que vim
berrando...

E disso ninguém se alembra, não.
Foi quando um dia eu caí...levei um trupicão,
Eu era criança. Me esfolei, a perna me doeu,
Quis chorá, oiei pra vancê, que esperança.
Vancê não correu pra do chão me alevanta.

Só me oiô e me falô:
- Que isso, rapaz ? Alevanta já daí...
HOMI NÃO CHORA.

Aquilo que vancê falô naquela hora,
Calou bem fundo,
pru que vancê era o maió homi do mundo.
Não sabia menti nem pra mim nem pra
ninguém...
O tempo foi passando...cresci também...
Mas sempre me alembrando..

HOMI NÃO CHORA. Foi o que vancê falô.
O mundo foi me dando os solavanco,
Ia sentindo das pobreza os tranco...
Vendo as tristezas vorteá nossa famía,
E as vêiz as revorta que eu sentia era tanta
Que me vinha um nó cego na garganta,
Uma vontade de gritá... berrá, chorá... mas quá...
Tuas palavra, pai, não me saía dos ouvido...
HOMI NÃO CHORA.

Intão, mesmo sentido, eu tudo engolia
E segurava as lágrima que doía...
E elas não caía, nem com tamanho de
Quarqué uma dô...

Veio a guerra de 40... e eu tava lá... um homi feito,
Pronto pra defendê o Brasí.
Vancê e a mãe foram me acompanhá pra despedi.
A mãe, coitada, quando me abraçô, chorô de saluçá.
Mas, nóis dois, não.
Nóis só se oiêmo, se abracêmo e despedimo
Como dois Homi. Sem chorá nem um pingo.
Ah, me alembro bem... era um dia de domingo.
Também quem é que pode esquecê daquele tempo ingrato ?
Fui pra guerra, briguei, berrei feito um cachorro do mato,
A guerra é coisa que martrata...
Fiquei ferido... com sodade de vancês... escrevi carta.
Sonhei, quase me desesperei, mas chora, memo que era bão
Nunca chorei...
Pruque eu sempre me alembrava daquilo
que meu pai falô:
- HOMI NÃO CHORA.

Agora, vendo vancê aí... desse jeito... quieto...
sem fala,
Inté com a barbinha rala, pru que não teve tempo de fazê..
Todo mundo im vorta, oiando e chorando pru vancê...
Eu quero me alembrá... quero segurá... quero maginá
Que nóis dois sempre cumbinemo de HOMI NÃO CHORÁ... quero maginá que um dia vancê vorta pra nossa casa
Pobre... e nóis vai podê de novo se vê ansim, pra conversá.
Intão vem vindo um desespero, que vai tomando conta...
A dô de vê vancê ansim é tanta... é tanta, pai,
Que me vorta aquele nó cego na garganta e uma lágrima
Teimosa quase cai...
Óio de novo prôs seus cabelo branco... e arguém me diz
Agora pra oiá pela úrtima vez..que tá na hora de vancê
Embarcá.

Passo a minha mão na sua testa que já não tem mais pensamento... e a dô que tô sentindo aqui dentro,
Vai omentando...omentando, quase arrebentando
Os peito...e eu não vejo outro jeito senão me descurpá.
O sinhô pediu tanto pra móde eu não chorá... HOMI NÃO CHORA... o sinhô cansô de me falá...mas, pai,
Vendo o sinhô ansim indo simbora... me descurpe, mas,


Tenho que chorá.

Frase - Alessandro Brito

"Desejo sempre o melhor, espero sempre o pior, e regozijo o que vier"

U poeta du sertão - Paulo Tapajós (1957)

Composição: Catulo da paixão Cearense

Si chora o pinho
Im desafio gemedô
Não hai poeta cumo os fio
Du sertão sem sê doutô
Us óio quente
Da caboca faz a gente
Sê poeta di repente
Que a puisia vem do amor

Não há poeta, não há
Cumo os fio do Ceará!

Dotô fromado, home aletrado
Lá da Côrte
Se quisé mexê comigo
Muito intoncê tem qui vê
Us livro da intiligença
I dá sabença
Mas porém u mato virge
Tem puisia como quê!

Poeta eu sô sem sê dotô
Sou sertanejo
Eu sô fio lá dus brejo
Du sertão do Aracati
As minha trova
Nasce d’arma sem trabaio
Cumo nasce na coresma
Nu seu gaio a frô de Abri

Lua Bonita-Raul Seixas-Zé do Norte

Lua bonita,
Se tu não fosses casada
Eu preparava uma escada
Pra ir no céu te buscar
Se tu colasse teu frio com meu calor
Eu pedia ao nosso senhor
Pra contigo me casar...


A nova geração conhece Lua Bonita pela bela regravação feita pelo maluco beleza Raul Seixas. No entanto, a música foi originalmente gravada em 1953 por Zé do Norte, autor da canção em parceria com Zé Martins, para a trilha sonora do clássico de Lima Barreto, "O Cangaceiro".

A você - Carlos Galhardo

Composição : Aldo Cabral e Ataulfo Alves
 
Em você, tudo é encantamento
Em você, tudo é deslumbramento
Você traduz sonhos de luz, anjo divino
Qual uma dádiva do céu, do meu destino
Em você, eu encontrei, querida
A realização do que sonhei na vida
É, você, na expressão da verdade
A minha apoteóse de felicidade
Seu olhar me fascina
Seu falar me domina
Seu sorriso, é um sorriso de santa
Seu andar macio nos encanta
Nas linhas do seu corpo
Há um perfume de amor, embriagador
Em que você, pra mim, é a encarnação
Desta canção
Em você, tudo é encantamento
Em você, tudo é deslumbramento
Você traduz sonhos de luz, anjo divino
Qual uma dádiva do céu, do meu destino
Em você, eu encontrei, querida
A realização do que sonhei na vida
É, você, na expressão da verdade
A minha apoteóse de felicidade

Cegonha - Waldir 59

Brasa mosntríssima!

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Frase - Alessandro Brito

"Não me importa há quanto tempo, mas sim, quanto tempo ainda resta"

Um homem com uma dor - Paulo Leminsk

"um homem com uma dor
é muito mais elegante
caminha assim de lado
como se chegasse atrasado
andasse mais adiante".

Negra bonita - Solano Trindade

Negra bonita de vestido azul e branco
Sentada num banco de segunda de trem
Negra bonita o que é que você tem?
Com a cara tão triste não sorri pra ninguém?
Negra bonita
É seu amor que não veio
Quem sabe se ainda vem
Quem sabe perdeu o trem
Negra bonita não fique triste não
Se seu amor não vier
Quem sabe se outro vem
Quando se perde um amor
Logo se encontra cem
Você uma negra bonita
Logo encontra outro bem.
Quem sabe se eu sirvo
Para ser o seu amor
Salvo se você não gosta
De gente da sua cor
Mas se gosta eu sou o tal
Que não perde pra ninguém
Sou o tipo ideal
Pra quem ficou sem o bem... 
 

Castro Alves

Na volúpia das noites andaluzas

O sangue ardente em minhas veias rola ...

Sou D.Juan!...Donzelas amorosas

Vós conheceis-me os trenos da viola!

Sobre o leito do amor teu seio brilha ...

Eu morro, se desfaço-te a mantilha ..

ALVES, Castro. Obra Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar,1997, p.94.


E NÃO VOU MAIS DEIXAR VOCÊ TÃO SÓ - ANTONIO MARCOS



Se a vida inteira
Você esperou um grande amor
E de triste até chorou
Sem esperanças de encontrar alguém
Fique sabendo
Que eu também andei sozinho
E sem ninguém pra mim
Fiquei sem entregar o meu carinho
Se na sua estrada
Não houve flor
Foi só tristeza, enfim
E em cada dia, sem ter amor
Foi tudo tão ruim
Vou confessar, então
Meu coração não quer mais existir
E os meus olhos vermelhos
Cansados de chorar querem sorrir
Ah, por isso foi que eu decidi
Não fico nem mais um minuto aqui
Eu vou buscar o meu amor
O meu amor, o meu amor
Eu nunca tive alguém
Agora vou olhar você, meu bem
Guarde o meu coração
Que nunca mais eu vou deixar você tão só
E nunca mais eu vou
Deixar você tão só
E nunca mais eu vou
Ficar também tão só

A cúmplice - Juca Chaves


Eu quero uma mulher que seja diferente
de todas que eu já tive, de todas tão iguais.
Que seja minha amiga, amante, confidente;
A cúmplice de tudo que eu fizer a mais.

No corpo tenha o Sol, no coração a Lua,
A pele cor de sonho, as formas de maçãs,
A fina transparência, uma elegância nua,
O mágico fascínio, o cheiro das manhãs.

Eu quero uma mulher de coloridos modos,
Que morda os lábios sempre que for me abraçar.
No seu falar provoque o silenciar de todos
E seu silêncio obrigue a me fazer sonhar.

Que saiba receber, que saiba ser bem-vinda,
Que possa dar jeitinho a tudo que fizer,
Que ao sorrir provoque uma covinha linda;
De dia, uma menina; a noite, uma mulher.

Longe Tão Perto - Os Vips


Queria ser só teu
jamais dizer-te adeus
nunca brigar contigo, mas você
não quer saber, viver sempre ao teu lado,
era o meu pensamento, mas minha vida é 
um tormento. Porque está de mim, longe tão 
perto assim, sinto você distante com você a todo
instante, se falo de amor, você sorri de mim,
porque tão longe assim, se pertinho está de mim.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

With A Little Help From My Friends - Joe Cocker

Esse amor sobra em mim... É tudo o que hoje preciso! (Meus anos continuam incríveis).


Com Uma Ajudinha de Meus Amigos

O que você faria se eu cantasse fora do tom
Você se levantaria e viria até mim
Me empreste suas orelhas e eu te cantarei uma canção
Eu vou tentar não cantar fora de tom

ohh baby eu consigo,
(Com uma ajudinha de meus amigos)
Tudo que eu preciso são meus amigos
(Tente com uma ajudinha de meus amigos)
Eu disse que quero ficar doidão eu vou
(Doidão com uma ajudinha de meus amigos)
Who-Ho-Hoo-yeah

O que eu faço quando meu amor está longe,
(Você se preocupa por estar sozinho?)
não não
Como eu me sinto ao Fim do dia
(Você está triste por estar só)
Eu espero que você não diga isso nunca mais

(Com uma ajudinha de meus amigos)
Vou conviver com os meus amigos
(Tente com uma ajudinha de meus amigos)
Heel-heel-heel eu vou tentar
(Doidão com uma ajudinha de meus amigos)
Vou continuar doidão

(Você precisa de alguém)
Eu preciso de alguém para amar
(Poderia ser qualquer um)
Tudo que eu preciso é alguém, que saiba exatamente onde estou indo yeah
Alguém que saiba com certeza, baby

(Com uma ajudinha de meus amigos)
Disse que eu vou fazer isso com meus amigos, eu vou
(Tente com uma ajudinha de meus amigos)
Who-hoo-Eu vou continuar tentando
(Doidão com uma ajudinha de meus amigos)
Eu vou continuar tentando

(Você acredita em amor à primeira vista?)
Eu tenho certeza que acontece o tempo todo yeah
(O que você vê quando você apaga as luzes?)
Eu não posso te dizer, mas com certeza sinto que é meu

(Com uma ajudinha de meus amigos)
Você não sabe que eu vou fazer isso com os meus amigos
(Tente com uma ajudinha de meus amigos)
Eu prometi a mim mesmo que consigo
(Doidão com uma ajudinha de meus amigos)
Disse que eu vou tentar um pouco mais

(Você precisa de alguém)
ohaaa- yeah yeah-yeah
(Poderia ser qualquer um)
Oh vai ser alguém
Ohh yeah yeah

(Com uma ajudinha de meus amigos)
Disse que vou conviver com os meus amigos, eu te digo
(Tente com uma ajudinha de meus amigos)
Ooh, sim, eu vou continuar tentando
(Doidão com uma ajudinha de meus amigos)
Continuar tentando com os meus amigos
(Com uma ajudinha de meus amigos)
Ooh você não vai me parar nunca mais
(Tente com uma ajudinha de meus amigos)
Eu vou continuar tentando
(Doidão com uma ajudinha de meus amigos)
Ficar doidão, eu sou quero fazer tempo oh senhor
Vou conviver com os meus amigos

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Légua tirana - Luiz Gonzaga

Oh, que estrada mais comprida
Oh, que légua tão tirana
Ai, se eu tivesse asa
Inda hoje eu via Ana
Quando o sol tostou as foia
E bebeu o riachão
Fui inté o juazeiro
Pra fazer a minha oração
Tô voltando estropiado
Mas alegre o coração
Padim Ciço ouviu a minha prece
Fez chover no meu sertão
Varei mais de vinte serras
De alpercata e pé no chão
Mesmo assim, como inda farta
Pra chegar no meu rincão
Trago um terço pra das dores
Pra Reimundo um violão
E pra ela, e pra ela
Trago eu e o coração

Liberdade - Roberto Ribeiro

"...E agora dessa recordação
Existe uma lição, que vive em min
Tudo que é feliz não tem direito à eternidade
Porque sempre chega a vez
De entrar em cena a saudade..."

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Djavan - Lilás



ilás

Djavan

Amanhã
Outro dia
Lua sai
Ventania abraça
Uma nuvem que passa no ar
Beija
Brinca
E deixa passar
E no ar
De outro dia
Meu olhar

Surgia nas pontas
De estrelas perdidas no mar
Pra chover de emoção
Trovejar...
Raio se libertou
Clareou
Muito mais
Se encantou
Pela cor lilás
Prata na luz do amor
Céu azul
Eu quero ver
O pôr do sol
Lindo como ele só
E gente pra ver
E viajar
No seu mar
De raio.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Homenagem a velha guarda - Monarco

Uma noite entre amigos... que mais importa???

Quebra - Cabeça - Verônica Santana (3.000 peças)

Frase - Theodore Roosevelt

"É muito melhor arriscar coisas grandiosas, alcançar triunfos e glórias, mesmo expondo-se a derrota, do que formar fila com os pobres de espírito que nem gozam muito nem sofrem muito, porque vivem nessa penumbra cinzenta que não conhece vitória nem derrota".