segunda-feira, 31 de outubro de 2011

É Proibido Cochilar, Tá Assim de Gavião e no Cantinho... - Os 3 do Nordeste

A hora do cansaço - Carlos Drummond de Andrade

As coisas que amamos,
as pessoas que amamos
são eternas até certo ponto.
Duram o infinito variável
no limite de nosso poder
de respirar a eternidade.

Pensá-las é pensar que não acabam nunca,
dar-lhes moldura de granito.
De outra matéria se tornam, absoluta,
numa outra (maior) realidade.

Começam a esmaecer quando nos cansamos,
e todos nos cansamos, por um ou outro itinerário,
de aspirar a resina do eterno.
Já não pretendemos que sejam imperecíveis.
Restituímos cada ser e coisa à condição precária,
rebaixamos o amor ao estado de utilidade.

Do sonho de eterno fica esse gozo acre
na boca ou na mente, sei lá, talvez no ar.

Também já fui brasileiro - Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade (Itabira, 31 de outubro de 1902Rio de Janeiro, 17 de agosto de 1987)
Eu também já fui brasileiro
moreno como vocês.
Ponteei viola, guiei forde
e aprendi na mesa dos bares
que o nacionalismo é uma virtude.
Mas há uma hora em que os bares se fecham
e todas as virtudes se negam.

Eu também já fui poeta.
Bastava olhar para mulher,
pensava logo nas estrelas
e outros substantivos celestes.
Mas eram tantas, o céu tamanho,
minha poesia perturbou-se.

Eu também já tive meu ritmo.
Fazia isso, dizia aquilo.
E meus amigos me queriam,
meus inimigos me odiavam.
Eu irônico deslizava
satisfeito de ter meu ritmo.
Mas acabei confundindo tudo.
Hoje não deslizo mais não,
não sou irônico mais não,
não tenho ritmo mais não.



A mesma estória - Cartola

Quem me ve passar calado e triste
Não resiste
E vem me perguntar o que causou
Esta transformação
Já estou cansado de contar aquela estória
Que é sempre a mesma estória
Que resume-se em desilusão
Preciso andar pra não pensar
No que passou e não chorar
Viver em paz e sepultar de vez
A minha grande dor
Confiante despeço-me dos meus amigos
E da cidade
Só voltarei quando encontrar felicidade

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Frase - Alessandro Brito

"Assim viverei, até que um dia eu não suporte mais tanto amar"

As duas flores - Castro Alves

São duas flores unidas
São duas rosas nascidas
Talvez do mesmo arrebol,
Vivendo,no mesmo galho,
Da mesma gota de orvalho,
Do mesmo raio de sol.

Unidas, bem como as penas
das duas asas pequenas
De um passarinho do céu...
Como um casal de rolinhas,
Como a tribo de andorinhas
Da tarde no frouxo véu.

Unidas, bem como os prantos,
Que em parelha descem tantos
Das profundezas do olhar...
Como o suspiro e o desgosto,
Como as covinhas do rosto,
Como as estrelas do mar.

Unidas... Ai quem pudera
Numa eterna primavera
Viver, qual vive esta flor.
Juntar as rosas da vida
Na rama verde e florida,
Na verde rama do amor! 

Tudo é ilusão (Aníbal Silva - Eden Silva - Tuffi Lauar) - Samba de 1944

PUTZ... Brasa de mais!

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Amar uma mulher - Bob Marley

“Você pode não ser o primeiro homem dela, o último homem dela ou o único homem dela. Ela amou antes, pode ser que ela ame de novo. Mas se ela se ama agora, o que mais importa? Ela não é perfeita - você também não é, e vocês dois podem nunca ser perfeitos juntos, mas se ela te faz rir, te faz pensar duas vezes, e admite ser humana e cometer erros, segure-se a ela e dê a ela o máximo que você puder. Ela pode não estar pensando em você a cada segundo do dia, mas ela te dará uma parte dela que ela sabe que você pode quebrar - o coração dela. Então não machuque ela, não mude ela, não analise e não espere mais do que ela pode dar. Sorria quando ela te fizer feliz, diga a ela quando ela te deixar com raiva, e sinta a falta dela quando ela não estiver por perto.”


Encontros e desencontros

Você foi uma surpresa maravilhosa!! Encontros e desencontros fazem parte da vida, e que bom que nos encontramos, de uma forma intensa e meio maluca, mas não menos encantadora e fascinante!

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

DALVA DE OLIVEIRA - FOLHAS NO AR - SAMBA CANÇÃO - BRASIL.wmv

Um absurdo de lindo!!!!!

Vou buscar aquilo que foi meu
Que no mundo se perdeu
Qual folhas que o vento soltou no ar Ter a mesma paz de antigamente
Sair cantando por cantar
Qualquer canção sob qualquer luar
Vou buscar aquele amor tão meu
Sair andando a perguntar
Qual o caminho por onde ele foi
E por onde for irei também
Até o coração achar
Que simplesmente não achou
E aí então vou entender
Que ao buscar eu me perdi
De tudo aquilo que eu sou

Clube da esquina - Flávio Venturini

Porque se chamava homem
Também se chamavam sonhos
E sonhos não envelhecem
Em meio a tantos gases
lacrimogênios
Ficam calmos, calmos, calmos

E lá se vai mais um dia

E basta contar compasso
e basta contar consigo
Que a chama não tem pavio
De tudo se faz canção
E o coração
Na curva de um rio, rio...

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Cotidiano nº 2 - Vinícius de Moraes,Toquinho e Quarteto em Cy.

Aos sábados em casa tomo um porre
E sonho soluções fenomenais
Mas quando o sono vem e a noite morre
O dia conta histórias sempre iguais

Mas não tem nada, não
Tenho o meu violão

Às vezes quero crer mas não consigo
É tudo uma total insensatez
Aí pergunto a Deus: escute, amigo
Se foi pra desfazer, por que é que fez?

Mas não tem nada, não
Tenho o meu violão

CataVento (TV Cultura)

Ler o Pequeno (grande) Príncipe me fez rememorar a época em que eu assitia "Cata vento"! (o tempo não para)...

Reciclagem - Zé Geraldo

"A moda na cidade é grande
O medo é grande também
A corrida do cheque incoberto
O saldo não teve e não tem
Os valores trazidos da terra
Enfrentando as cancelas
Do "pode-não-pode"
A força falsa de um cartão de crédito
Ao invés de um fio de bigode"

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Metade - Oswaldo Montenegro

Que a força do medo que tenho

Não me impeça de ver o que anseio

Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.

Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade.

Que as palavras que eu falo
Não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo.

Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço
Que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que eu penso mas a outra metade é um vulcão.

Que o medo da solidão se afaste, e que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável.

Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso
Que eu me lembro ter dado na infância
Por que metade de mim é a lembrança do que fui
A outra metade eu não sei.

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço.

Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é platéia
E a outra metade é canção.

E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também.

orfeu - toni garrido

ORPHEU DA CONCEIÇÃO

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Meeting ABC de Gestão Empresarial - www.meetingabc.com.br



O Evento - Meeting ABC
O Meeting ABC de Gestão Empresarial é o primeiro evento realizado na região do ABC que promove um encontro empresarial entre gestores de diversos segmentos e profissionais de renome no mundo corporativo, incentivando o debate e a reflexão sobre inovação e práticas de sucesso.
O primeiro palestrante é Waldez L. Ludwig um showman em palestras que já foi visto por mais de 795.000 pessoas em 270 cidades pelo país, com participações em diversos programas, inclusive sendo entrevistado da noite no Programa do Jô, abordará a gestão competitiva em quatro tempos: estratégia, qualidade, inovação e talento, trazendo uma nova forma de enxergar a gestão empresarial frente aos novos desafios que o mercado impõe.
Em seguida, é a vez de Ricardo Amorim, um dos debatedores do programa Manhattan Connection, apresentar um panorama geral da economia para micro, pequenas e médias empresas e como usar o conhecimento e inovação a favor dos negócios, principalmente num momento em que mercados do mundo inteiro estão em colapso e perdidos frente às incertezas econômicas globais.
Após as palestras, o espaço será inteiramente destinado meeting empresarial, voltado à ampliação do networking dos convidados, com dinâmica de buffet especial e acomodação que proporcionará ambiente propício para troca de contatos profissionais e novas parcerias de negócios entre todos os participantes do evento. Uma chance única para que cada participante descubra novas oportunidades comerciais!

Sobre o Espaço

Samyr Buffet
O Samyr Buffet, em São Caetano do Sul, é o local escolhido para abrigar o Meeting ABC.

Pensando em acomodar todos os convidados da melhor forma possivel, o Meeting ABC será realizado no salão localizado na Avenida Goiás, com aproximadamente 4.200 metros quadrados em excelente localização, de fácil acesso. O buffet do evento foi especialmente pensado para garantir um serviço irretocável do início ao final do evento.
O espaço conta com serviço de vallet, acesso para deficientes físicos e ambiente totalmente climatizado.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Steve Jobs

"Lembrar que estarei morto em breve, é a ferramenta mais importante que já encontrei para me ajudar a tomar grandes decisões. Porque quase tudo - expectativas externas, orgulho, medo de passar vergonha ou falhar - caem diante da morte, deixando apenas o que é apenas importante. Não há razão para não seguir o seu coração. Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que eu conheço para evitar a armadilha de pensar que você tem algo a perder. Você já está nu. Não há razão para não seguir seu coração.”
                                           Steve Jobs

Prefiro rosas meu amor, `a Pátria - Ricardo Reis (Fernando Pessoa )


Prefiro rosas, meu amor, à pátria,
E antes magnólias amo
Que a glória e a virtude.

Logo que a vida me não canse, deixo
Que a vida por mim passe
Logo que eu fique o mesmo.

Que importa àquele a quem já nada importa
Que um perca e outro vença,
Se a aurora raia sempre,

Se cada ano com a Primavera
As folhas aparecem
E com o Outono cessam?
E o resto, as outras coisas que os humanos
Acrescentam à vida,
Que me aumentam na alma?

Nada, salvo o desejo de indiferença
E a confiança mole
Na hora fugitiva.

Futuros Amantes - Amantes

O amor que não foi correspondido fica impar, esperando...

domingo, 16 de outubro de 2011

Elizeth Cardoso - Barracão de Zinco

Um desacato!!!!!!!!!

Eu não sou obrigado - Alessandro Brito

Bom, já dizia mestre Marçal:
"Quem dorme de favor, não tem direito de esticar as pernas", e como não estou no "barraco da alegria" (agora em novo endereço), a trilha sonora é:
"tupi fm", agora pensa, domingo 14:28, imagina a programação!!!!!
Ai pergunto ao mestre Paulo Mathias, o que acha de "sertanejo universitário"? Na verdade a conversa foi assim:

Paulo Mathias diz:
salve meu irmaozinho amado

Alessandro diz:
me fala
o que acha de sertanejo universitário

Paulo Mathias diz:
não vejo a hora deles se formarem e irem logo embora
rsrsrs

Alessandro diz:
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
chorei
vou postar uma coisa no blog agora
affffff
num aguento

Cada qual tem o direito de ouvir e cultivar o que quiser, logo, eu também tenho pleno direito de sentir total asco por essa porcaria, mas total asco mesmoooooooo, sem limite de ânsia (nauseado, dois dramins por favor!!!!!!).

Analisando e reanalisando, chego mesmo a conclusão que desde o fim da ditadura (1986?) onde ganhamos a liberdade de expressão (assunto já comentado aqui no blog) o que se criaram foram gerações de amebas, a minha (1983)  e as seguintes.
Cito o pagodinho meados dos anos 90 com "raça negra" e seu descendentes, que definitivamente foram o divisor de águas... seguido do axé COM "é o tchan", esse gênero dispensa comentários! O "funk" (pornô) e agora o "sertanejo universitário".
Chego a conclusão que estudar hoje é nocivo, uma mal irreversível, que tristeza!
Afinal o que espero de uma geração universitária??? Que elas curtam "guilherme e santiago (com o clássico abaixo mencionado) e cia? "Inimigos da hp" e cia????? Sei lá mais que merda e cia?????

EU Alessandro Brito, espero mudanças, revolução, conteúdo, crítica, política, sentimento, poesia, amor, história...
O que vejo (ouço)? Mela cueca pra todo lado que me viro... EU NÃO SOU OBRIGADO! OK?!

SOCORROOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!! POR FAVOR MEUS AMIGOS ME APRESENTEM BOA MÚSICA, LETRAS E MELODIAS QUE ME ENVOLVAM, QUALQUER GÊNERO, MAS QUE ME ENSINE SOBRE QUALQUER COISA... MAS QUE ME ENSINE, QUE DEIXE ALGO DE VALOR...

P.S.: Tocando agora na tupi:

Tá Se Achando - Guilherme & Santiago

Parou, passou, se foi sua paixão
Você tirou, zoou, feriu meu coração
Você já sabe, um dia, você que riu de mim
Pode chorar amargamente pedindo pra ser feliz

Tá se achando bacana, gostosa, um mulherão
Rasga dinheiro, tem gelo dentro do coração
Tá se achando bacana, gostosa, um mulherão
Pintou saudade, tô sabendo, vai correr pro meu portão

Correu, se foi, viajou pra não voltar
Levou de mim o amor, você sabe magoar
Você já sabe, um dia você que riu de mim
Pode chorar amargamente pedindo pra ser feliz

Vou só fazer uma contra partida aqui, despretensiosamente:

 Castigo - Lupicinio Rodrigues

Eu sabia
Que você um dia
Me procuraria
Em busca de paz
Muito remorso, muita saudade
Mas afinal o que é que lhe traz?

A mulher quando é moça e bonita
Nunca acredita poder tropeçar.
Quando os espelhos, lhe dão conselhos
É que procuram em quem se agarrar
E você pra mim foi uma delas
Que no tempo em que eram belas viam tudo diferente do que é
Agora que não mais encanta, procura imitar a planta
As plantas que morrem de pé

E eu lhe agradeço por de mim ter se lembrado
Dentre tanto desgraçado que em sua vida passou
Homem que é homem faz qual o cedro que perfuma o machado que o derrubou

Eu não sou obrigado a aceitar essa merda, me inspiro em outras épocas da história e sei que se não lutarmos pelo que acreditamos, viveremos os sonhos dos outros. A maioria das coisas que hoje eu amo e tenho como "cartilha da vida" só existem para me orientar, por que lá atrás, outras pessoas não aceitaram as massificações das quais foram impostas, por que outras pessoas lutaram por seus ideais, porque outras pessoas deram tudo de si e pagaram o preço para fazerem história (cito Pixinguinha ou Marie Curie, ou Gonzagão), e por estas pessoas importantíssimas na minha vida é que jamais abrirei mão dos meus sonho e ideiais para "ser aceito"... Pois, eu não sou obrigado!

Pinduca- Meu galo já cantou [ RÁDIO FORRÓ BREGA - www.forrobrega.com.br ]

Domingo... é claroooo que a trilha sonora é um bom e velho bregaaaaaaaaaaa... Amoooo

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Trio Mocotó - Não Adianta



Não adianta chorar
Não adianta gritar
Não adianta
Não adianta...(2x)

Tudo que se quer
Tudo que se ama
A vida nos dá
O problema é encontrar
O problema é encontrar...

E fui caminhando
E tentando encontrar
Em alguém o amor
Prá então eu sentir
A beleza que há
Em viver e amar...

Eu amei e amei
E voltei ao mesmo lugar
Eu amei e amei
E voltei ao mesmo lugar...

Não adianta chorar
Não adianta gritar
Não adianta
Não adianta...(2x)

Não adianta!

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

João e Maria - Sivuca e Chico Buarque

Vem, me dê a mão...

Jacob do Bandolim - Benzinho (1961)

Um dos choros que mais gosto!

Dia das crianças - Alessandro Brito

Não, não é uma questão de certo ou errado, a questão é o que sinto, o que desejo, o que e como quero fazer! A minha verdade por certo, afronta a sua verdade, mas ainda sim, é a minha verdade. Ela mesma vai em desencontro com a "regras" da sociedade, mas continua sendo minha verdade, não há o que mudar!
Dizem que: "A beleza está nos olhos de quem vê", penso que posso parafrasear e dizer: "A verdade está na boca de quem a prolifera"...
 E desde criança, já me sentia inclinado a descordar... Hora fosse das imposições dos meus pais, hora fosse das  regras escolares, hora fosse onde quer que fosse... não sabia que esta conduta me levaria a lugares indescritíveis, que me levaria ao ápice do prazer que a vida nos oferece... O preço que se paga é alto, por tentar não ser medíocre, hipócrita, ser mais humano, ser sincero, mas cada escolha traz uma renúcia... Hoje sou um homem adulto, cansado da lida da vida, muito embora apaixonado por ela, que procura sempre o melhor caminho, homem de direitos e deveres, que tem sua representação na sociedade...
Mas que nunca deixará de ser criança e que por assim ser, faz questão de nunca deixar que a vontade do saber e a curiosidade das coisas do mundo deixem de existir... que as imoralidades e as barbaridades do mundo sejam vistas como coisas normais ou simplesmente problemas sociais, pois não são, a bem da verdade é que são problemas nossos e quando nos acostumamos e deixamos de acreditar que não são, definitivamente deixamos de ser dignos de respeito.
Homem adulto que faz questão de cantar em qualquer lugar ou ocasião sem medo de censura, capaz de rir do Chaves por mais 30 anos, ou de ficar bobo em como o mar não derrama, ou como a Lua pode ser tão linda... Disposto a mudar o mundo e as regras dele, e acreditar que só depende de si para que tudo seja perfeito, na inocência de criança...
Disposto a continuar pagando o preço que for, para que essa criança nunca cresça!

CLARA NUNES-OPÇÃO

Não conheço nenhum adjetivo que eu possa classificar o Conjunto nosso samba e Clara Nunes... Só sei que trazem absurda paz ao meu espírito atribulado!