sexta-feira, 27 de maio de 2011

Taiguara - Viagem

PUTZ! Que maravilhaaaaaa!!!!

Eu não Tenho ninguém - Paulo César Pinheiro / Baden Powell

Ai, o amor
Quem tem
Deve dar valor
E eu não tenho ninguém
Já quis ter um bem
Deus me recusou
E eu não tenho ninguém
Ah, eu não tenho ninguém

Se a tal felicidade
Pra todo mundo vem
Meu coração porque é
Só solidão
E eu não tenho ninguém
Eu não tenho ninguém

E infelicidade
Que eu já conheço bem
Toda paixão
Que ao peito vem
É só ilusão
E eu não tenho ninguém, ai
E eu não tenho ninguém
Eu não tenho ninguém...

Viagem (João de Aquino/Paulo César Pinheiro) - Cristina Motta

Oh, tristeza, me desculpe! Estou de malas prontas!

Fevereiro, 1956 - Cecília Meireles

Teu bom pensamento longínquo me emociona.
Tu, que apenas me leste,
acreditaste em mim, e me entendeste profundamente.


Isso me consola dos que me viram,
a quem mostrei toda a minha alma,
e continuaram ignorantes de tudo que sou,
como se nunca me tivessem encontrado.


Fevereiro, 1956


Cecília Meireles
In: Poesia Completa
Dispersos (1918-1964)

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Minha Esquina - Paulo César Pinheiro

PUTZ!

O lápis - Autor desconhecio

O menino observava seu avô escrevendo em um caderno, e perguntou:

- Vovô, você está escrevendo algo sobre mim?

O avô sorriu, e disse ao netinho:

- Sim, estou escrevendo algo sobre você. Entretanto, mais importante do que as palavras que estou escrevendo, é este lápis que estou usando. Espero que você seja como ele, quando crescer.

O menino olhou para o lápis, e não vendo nada de especial, intrigado, comentou:

- Mas este lápis é igual a todos os que já vi. O que ele tem de tão especial?

- Bem, depende do modo como você olha. Há cinco qualidades nele que, se você conseguir vivê-las, será uma pessoa de bem e em paz com o mundo – respondeu o avô.

- Primeira qualidade : Assim como o lápis, você pode fazer coisas grandiosas, mas nunca se esqueça que existe uma “mão” que guia os seus passos, e que sem ela o lápis não tem qualquer utilidade: a mão de Deus.

- Segunda qualidade : Assim como o lápis, de vez em quando você vai ter que parar o que está escrevendo, e usar um “apontador”. Isso faz com que o lápis sofra um pouco, mas ao final, ele se torna mais afiado. Portanto, saiba suportar as adversidades da vida, porque elas farão de você uma pessoa mais forte e melhor.

- Terceira qualidade : Assim como o lápis, permita que se apague o que está errado. Entenda que corrigir uma coisa que fizemos não é necessariamente algo mau, mas algo importante para nos trazer de volta ao caminho certo.

- Quarta qualidade : Assim como no lápis, o que realmente importa não é a madeira ou sua forma exterior, mas o grafite que está dentro dele. Portanto, sempre cuide daquilo que acontece dentro de você. O seu caráter será sempre mais importante que a sua aparência.

- Finalmente, a quinta qualidade do lápis: Ele sempre deixa uma marca. Da mesma maneira, saiba que tudo que você fizer na vida deixará traços e marcas nas vidas das pessoas, portanto, procure ser consciente de cada ação, deixe um legado, e marque positivamente a vida das pessoas. 

Só pra chatear...

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Pra Onde Vai? - Gabriel O Pensador

Composição : Gabriel O Pensador / Lulu Santos
 
Mais uma vida jogada fora
Um coração que já não bate mais, descanse em paz
Sonhos que vão embora, antes da hora
Sonhos que ficam pra trás
Pra onde vai você?
Pra onde vai?
Pra onde vai o Sol quando a noite cai?
E agora?
A dor é do tamanho de um prédio
A casa sem ele vai ser um tédio
Não tem remédio, não tem explicação, não tem volta
Os amigos não aceitam, o irmão se revolta
A família não acredita no que aconteceu
Ninguém consegue entender porque o garoto morreu
Tiraram da gente um jovem tão inocente
E a sua avó que era crente hoje tem raiva de Deus
O seu pai ficou mais velho, mais sério e mais triste
E a mãe simplesmente não resiste
Além do filho, perdeu o seu amor pela vida
E a nora agora tem tendências suicidas
E a namoradinha com quem sonhava se casar
Todo mundo toda hora tem vontade de chorar
Quando se lembra dos planos que o garoto fazia...
Ele dizia: "Eu quero ser alguém um dia"
Sonhava com o futuro desde menino
Ninguém podia imaginar o seu destino
Mais uma vítima de um mundo violento...
Se Deus é justo, então quem fez o julgamento?
Pra onde vai você?
Pra onde vai?
Pra onde vai o Sol?
Quando a noite cai?
Por quê um jovem que vivia sorridente perde a sua vida assim tão de repente?
Logo um cara que adorava viver
Realmente é impossível entender
Nenhuma resposta vai ser capaz de trazer de novo a paz à família do rapaz
Nunca mais suas vidas serão como antes
E eles olham o seu retrato na estante
Aquele brilho no olhar e o jeitão de criança
Agora não passam de uma lembrança
E a esperança de que ele esteja bem, seja onde for,
Não diminui o vazio que ele deixou
É insuportável quando chega o seu aniversário
E as suas roupas no armário parecem esperar que ele volte de surpresa
Pra ocupar o seu lugar vazio à mesa
A tristeza às vezes é tão forte
A tristeza às vezes é tão forte que é mais fácil fingir que não houve morte
Porque sempre que ele chega pra matar as saudades
Ele vem com aquela cara de felicidade
Alegrando os sonhos e querendo dizer que a sua alma nunca vai envelhecer
E que sofrer não é a solução
É melhor manter acesa uma chama no coração
E a certeza na mente de que um dia se encontrarão novamente.
Pra onde vai você?
Pra onde vai?
Pra onde vai o Sol quando a noite cai?
Pra onde vai você ?
Pra onde vai o Sol...
Pra onde vai...
Quando a Noite cai ?
Quando tudo vira cinzas,
Pra onde vai o Sol ...
Quando a noite quando a noite cai ?
Quando o Sol se vai ?
Quando tudo passa ?
Quando a gente chora ?
Pra onde vai ?

Meus defeitos - Alessandro Brito

 Andei conversando com uma amiga nesses últimos dias, falei de tudo que estava me angustiando... Ela pacientemente me ouviu, quando me esgotei ela me indicou um novo caminho, o de reconhecer meus defeitos...

Dado momento ela disse:
Puts, to enxergando muitos defeitos meus em você... é fogo!
Sempre cito: "Só quem mexe na terra sabe o cheiro do chão..."  Foi então que percebi que ela realmente estava me entendendo, embora eu não gostasse nenhum pouco daquela visão...

Estou irritado em ver que ainda sou um "juvenil"! Espero ler estes rabiscos no futuro, e perceber uma mudança...

E por falar em futuro, enxerguei o quanto sou ansioso!
Que absurdo, nunca havia me dado conta disso... Sem perceber, eu estava criando um novo "mundo seguro" e me instalando... Essa visão foi perturbadora, logo eu que sempre critiquei os "mundos seguros" alheios...

O egoísmo eu sabia que era um dos meus grandes companheiros, e confesso que labuto com ardor para ser menos etnocentrico, mas quando paro para analisar vejo que já: "Acusei, julguei e dei o indulto..."
E por ser egoísta, pouco consigo avaliar as opiniões diferentes da minha, muito embora me achasse um homem justo. Muitas vezes uma outra pessoa não precisa mudar seu conceito, eu devo entender que ela pode continuar com sua opinião e ao invés de mudar seu conceito ela pode simplesmente acrescentar conhecimento, gosto, ou seja lá o que for...

E como desgraça pouca é besteira, meu egoísmo vem aliado do meu exagero.
Nesse ponto quase me absolvo, pois meu exagero se confunde com minha intensidade de viver. Por amar tanto a vida eu me entrego de corpo e alma as causas que acredito, as minhas filosofias... e por achar que as pessoas no geral não se entregam, tento me fazer de exemplo, e acabo ultrapassando os limites entre o intenso e o exagero... Ao invés de colocar lenha na fogueira e ver o fogo consumi-la, eu acabo colocando urânio, e quase provoco uma explosão, totalmente desnecessário.

E o pior, esse exagero todo me torna verborrágico! As vezes sou pretencioso a ponto de achar que sei escrever, afinal os amigos me envaidecem em alguns momentos, e sem falsa modéstia até gosto de alguns rabiscos, dos textos reflexivos. Quando vou para retórica me perco, falo mais que a "nega do leite", escrevo mais do que deveria, escrevo tudo que sinto... muitas vezes quem ouve/lê não está tão receptivo para minha intensidade (exagerada)...

Enfim, achava que se eu fizesse tudo "direito" respeitando o tempo de cada um as coisas poderiam seguir os caminhos traçados... Mas entendi, que esse pensamento é um desfarce que me encobre, dos meus mais reais desejos... não posso negar!

Sempre fui um excelente vendedor de idéias, mas já não me dá mais prazer fazê-lo. É tempo de me renovar...

Preciso aprender a "lição do silêncio".
            A águia possui grande longevidade. Chega a viver 70 anos.
Mas para chegar a esta idade, aos 40 anos ela tem que tomar uma séria e difícil decisão.
Aos 40 anos ela está com:
As unhas compridas e flexíveis, não consegue mais agarrar as suas presas das quais se alimenta.
O bico alongado e pontiagudo se curva.
Apontando contra o peito estão as asas, envelhecidas e pesadas dada a grossura das penas, e voar já é tão difícil!
Então, a águia só tem duas alternativas: morrer...
...ou enfrentar um doloroso processo de renovação que irá durar 150 dias.

Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão onde ela não necessite voar.
Então, após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em uma parede até conseguir arrancá-lo.
Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar suas unhas.
Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas.
E só após cinco meses sai para o famoso vôo de renovação e para viver então mais 30 anos.
Em nossa vida, muitas vezes, temos de nos resguardar por algum tempo e começar um processo de renovação.
Para que continuemos a voar um vôo de vitória, devemos nos desprender de lembranças, costumes e outras tradições que nos causaram dor. Somente livres do peso do passado, poderemos aproveitar o resultado valioso que uma renovação sempre traz.

terça-feira, 24 de maio de 2011

O dia que meu dente quebrou, descobri outra coisa - Alessandro Brito

Era sábado pela manhã, acordei por volta das 9:00, estava atrasado para alguma coisa que até esse momento não me recordo o que era... rs
Sentia algo estranho arranhando minha língua... não tinha nada na boca... passava a língua entre os dentes e sentia aquela sensação horrível... Levantei assutado, fui olhar no espelho... Minha nossa, acordei com um dente quebrado...

Só eu sei o desespero que bateu... não era nenhum atacante, mas meu, imagina você acordar num sabadão de sol, com meio dente... Como eu iria passar o fim de semana? Como eu iria comer? Sou uma puta velha toda hora to arreganhando o sorriso amarelo, e agora? Pior, eu não tenho dentista! Onde vou? E se o cara zuar o que sobrou do dente?
Nossa, o coração quase saiu pela boca literalmente, afinal mesmo fechando a boca, agora tinha uma brechinha... Foi por pouco!

Desci correndo para o centro de SBC... E o desespero de encontrar algum conhecido... Já se imaginou cumprimentando um amigo, te faltando um teco de dente? Eu já...

No primeiro consultório que vi aberto eu entrei, claro! Me deparei com uma gatinha na recepção... Que sorriso lindo, já ia me abrir quando, lembrei que estava contundido, e agora José? Como é que vou falar pra essa gatinha que preciso consertar um dente?

Nossa, que vergonha... Mas naquele momento, era melhor perder aquela gatinha, do que não ganhar nenhuma outra nunca mais...

Fim da sessão, dentinho restaurado, já estava filé de borboleta... aí voltou a confiança!

Fui pagar todo galante... Conversa vai, conversa vem, sorriso daqui, sorriso de lá... Ganhei um selinho (nossaaaaaa olha com o que me contentava, tempos bons) trocamos telefone...

Toda vez que ia no centro, passava lá e dava um bitoca... Então reparei que a danada passou a usar uma aliança! Opáááááá, qué issooo? Eu lá sou homem de ser segunda opção? Essa mina tá de sacanagem, pensei comigo.
E aí moça, essa aliança aí?
Ela - Meu tem um cara muito chato que vive vindo aqui, querendo ficar comigo! Fala pra todo mundo que sou namorada dele... Falei pra ele que estou namorando, por isso não tiro a aliança.
Fiquei penalizado, como tem cara louco nesse mundo não?

Fiquei "tranquilis", sempre ficavamos, falavamos por telefone... Mas comecei achar estranho porque as vezes ela atendia com uma voz tensa... pensei, isso é coisa da minha cabeça. Mas ela também nunca podia sair comigo de fim de semana, tinha uma mãe autoritária, coitada!

Um belo dia, estou na praia com uns amigos, fazendo aquele bate bola maroto no calçadão, quando como de costume, um perna de pau foi fazer graça e deu aquele toque desengonçado, lógico que a bola foi parar  embaixo em uma mesa  do quiosque ao lado...

Solícito que sou, fui atrás... seguindo a bola com os olhos, me aproximei e peguei-a. Quando levanto a cabeça para me desculpar com a galerinha da mesa, quem estava com o namorado e de frente pra mim? A própria moça da recepção do dentista! (Nossa, ele era realmente um filhotinho de "cruz credo").

Quando alinhou-se os "olhos nos olhos" (só não lembrei da música do Chico na hora por quê na época não conhecia) ambos ficamos em choque... Silêncio fúnebre (acho que todos perceberam, não é possível não terem notado) os olhos deram aquela boa e velha esbugalhada de momentos de pânico... Não saiu uma palavra nem de lá nem de cá.

Foi aí que descobri, que eu era mesmo um tonto, e ainda sou! rs.

A Sanfona de Dominguinhos e Sivuca

Nordestino eh phodaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

A Cor do Invisível - Mario Quintana


AH! OS RELÓGIOS

Amigos, não consultem os relógios
quando um dia eu me for de vossas vidas
em seus fúteis problemas tão perdidas
que até parecem mais uns necrológios...

Porque o tempo é uma invenção da morte:
não o conhece a vida - a verdadeira -
em que basta um momento de poesia
para nos dar a eternidade inteira.

Inteira, sim, porque essa vida eterna
somente por si mesma é dividida:
não cabe, a cada qual, uma porção.

E os Anjos entreolham-se espantados
quando alguém - ao voltar a si da vida -
acaso lhes indaga que horas são...


segunda-feira, 23 de maio de 2011

Bela Cigana - Clara Nunes

Anda, retira de cima
Esse manto de medo
Abre essa mão
Que eu vou revelar um segredo

Vou meu irmão
Ensinar beber água na fonte
Poder caminhar os caminhos do monte
Aonde amanhã novo sol vai nascer

É ! nessa vida ninguém
Foge porque tem medo
É justamente o contrário
Medrou quem fugiu

Vai meu irmão
Rasga as folhas do teu samba-enredo
Desvia teu barco dos velhos rochedos
Mais tarde ou mais cedo me darás razão

E foi assim que me disse a bela cigana
De brincos de ouro , de porte de dama
De vida e de morte
No fundo do olhar

Leu minha mão, me rezou e levou meu dinheiro
Mas a tal cigana não sabe talvez
Tirou meu veleiro
Do fundo do mar
Compositor: Ivor Lancellotti / João Nogueira

domingo, 22 de maio de 2011

Tempo de amar - Alessandro Brito

Eu dificilmente trago respostas... a única coisa que posso oferecer são perguntas... Minhas respostas correspondem as minhas verdades e minhas verdades dificilmente serão aceita, pois elas quase sempre conflitarão com a verdade alheia...

"O tolo aprende com os seus erros. Já o sábio aprende com os erros dos outros" (Autor desconhecido).


Se é assim, e acredito que seja, por quê demoras tanto para amar?
Somos extremamente limitados! Intelectualmente quase não progredimos (embora o "ser humano" se ache fantástico com suas "contribuições" para a humanidade, mas se a arrogância não os cegasse, perceberia que o pouco que "cria" é muito inferior ao quanto ele destrói), fisicamente somos um nada, então me pergunto porque esperar para amar? O dia de hoje realmente pode ser o último, não tenho a menor garantia que o "amanhã" chegará! Hoje tenho todas as possibilidades de amar, de demonstrar meu amor, por quê não faço? Por quê exito? O que ganho evitando o amor?
Aí o amor, sentimento sublime... "sublime para os que sabem ser verdadeiros"... esse sentimento que transforma a nossa vida, que nos renova, nos enche de alegria... que faz de todos os problemas, meras banalidades... sentimento que transforma essa espécia asquerosa que é o "ser humano" em criaturas verdadeiramente "humanas" e nos faz assemelhar- se aos animais... É ele quem nos dá a base para conseguirmos respeitar nossas limitações e principalmente as limitações dos nossos "irmãos"...

Somos egocêntricos por natureza ou por coerção, não faz muita diferença, por isso digo que amamos alguém, quando conseguimos sobrepujar nosso ego e respeitar o ego de outrém... Quando isso acontece, passamos a lidar com o que  de mais precioso existe na terra, o tempo. É diferente o tempo de quem ama... Para amar ou odiar, ser feliz ou triste, esperar ou partir, perdoar ou magoar... dependemos diretamente do tempo! Ele chega ser mais especial que o próprio amor, que ironia.

O que tem feito como seu tempo? Se brincas de viver, cuidado! As pessoas que você ama estão esperando por teus carinhos... teus regressos... tuas palavras amiga... teu sorriso... tua verdade! 

A pessoa que mais amo na vida partiu, e eu, por acreditar no amanhã e por pura negligência não tive tempo de lhe dizer pela última vez  o quanto eu o amava! Na verdade tive todo o tempo , mas não soube aproveitá-lo.

Ele, meu amado tio, fez uma viagem... passou 30 dias fora... Antes de ir, sentamos e conversamos... falamos do passado... rememoramos nossa odisséia... fizemos planos, grandes planos...  falamos do quanto um era importante para o outro e do quanto nos amavamos... Nos beijamos, nos abraçamos e nos despedimos... "Até a volta Titio"... foram minhas últimas palavras.

E ele voltou, era um sábado de julho de 2005... Todos os dias da minha vida eu passava na casa dele, todos! Mas meu trabalho estava me consumindo e não tinha tempo pra nada, uma semana se passou, era outro sábado... Fui trabalhar... enquanto eu estava no batente, ele distribuía todas as coisas de um lojinha que havia montado... Visitou os amigos, os mais queridos, e os presenteou... Era sábado a noite, eu regressava para casa quando me deram a notícia: O João faleceu! Foram 3 tiros no peito e 5 na nuca!
Impossível descrever qualquer sentimento a partir desse momento... 
Uma semana se passou e não nos vimos, nem por telefone nos falamos, nossa que dor. Eu nunca mais poderia tomar sua a benção (como é costume em família nordestina), nunca mais poderia sentir seu abraço ou ouvir seus conselhos, ouvir sua voz, ver seu sorriso... enfim...
Meu adeus foi em um caixão, pedia a última benção, beijei sua testa gelada, e então ele se foi...

Quase 6 anos se passaram, e a dor que sinto só aumenta... é muito difícil. Tem dias que acordo pesando 2 toneladas, nesses dias não vejo cores, tudo fica cinza... Mas é a vida, e é asim que deve ser. Não choro sua morte, faz parte do processo vital, choro sua ausência... Até agora, não consegui encontrar algo que preencha este vazio que parece infinito dentro de mim...


Tudo o que queria era que todos vocês fossem sábios! Que não disperdissassem seu tempo... que fizessem da minha cicatriz um medalhão, e levassem com vocês todos os dias, todo segundo, todo milésimo para que não se esquecessem:
  

"Demonstrar às pessoas que as amamos é o mínimo que podemos fazer por nós mesmos". Alessandro Brito



sábado, 21 de maio de 2011

Memória - Alessandro Brito

Não era nada mais que um encontro, um primeiro encontro...
Busco na memória flash de momentos marcantes, de lugares marcantes... Agora meio confuso encontro todos em um só lugar, estão aqui, bem aqui, na memória!

A madrugada apresenta um cenário cíclico... Tudo vazio... logo dezenas de corações famintos de carinho; atenção; cuidado, uma boa conversa que se estenda e se acrescente algo... em poucas horas o novo dia, tudo vazio novamente...  Ficou o saldo, foi maravilhoso! Mas também incompleto, um desejo que hoje seja muito melhor... E outra vez, tudo se encontra intocável como antes, na memória!

Quando se vai - Alessandro Brito

Quando se vai, não propriamente está indo embora, apenas partindo. Quando partes também permaneces. O corpo vai ao longe, vaga por aí, mas e o pensamento? Este ato que da vida as ações, que rege as emoções, ele vai embora ou apenas parte?
Se quando menos espera está pensando naquele sorriso que tudo ilumina, olhar de quem pede carinho e proteção, partiste-te ou fostes embora?
Se a essência do perfume lhe faz dar um sorriso de canto de boca e arranca um suspiro de angústia e melancolia, não podes negar que não fostes embora, mas apenas partiste.
Se todos teus atrasos te levam aquela pessoa que por vezes te esperou pacientemente faz diferença quem vos espera agora?
Poderia arrastar um outro mundo e alinhá-lo junto ao teu? Sim poderia e podes! Mas esteja certo que a sintonia é recíproca, se não for opte pela razão, pois a emoção é intocável quando a sua plenitude tem o alicerce da razão, caso contrário a emoção está solitária e não condiz como seu íntimo desejo. Se vives a emoção pela razão jamais te arrependerás pois tens como fiador a certeza de ambos terem se entregue.
Até para loucura é preciso coerência!
Não te envergonhes por não ter tido êxito em teus planos, aproveite para tirar novas lições.
A vida só vale se formos plenos no que desejamos, se os sacrifícios deixarem marcas em sua alma, se o medo for a força motivadora para penetrar no desconhecido e inseguro, a realidade é correr o risco do que quer que seja.
Olha para trás e orgulhe-se das tuas histórias, quando parar para refletir tenha sempre a sensação de que não poderia ter sido melhor ou tão intenso, a entrega nos deixa vulneráveis, deixamos florar nosso lado brega, cafona, ... mas ridículo é passar pela vida sem a vivência de uma paixão honesta.
As garantias que não tivestes, as juras que não recebestes, as ligações que nunca tocaram, o convite para festa que não tinha seu nome, os filmes que não assistiram, os passeios no parque que nunca aconteceram, os dias de sol que não pudestes contemplar, o frio que te fez acordar durante toda noite pela falta de companhia naquela madruga infinita, as músicas quem não tivestes tempo de mostrar-lhe, e tantas outras coisas viram banalidades perto daqueles momentos que juntos estiveram.
Se quis todas estas coisas é porque ela realmente era especial.
Saber reconhecer que perdeu é nobre, apenas um coração nobre pode aprender com as partidas da vida.

Contigo Aprendi - Altemar Dutra

Contigo aprendi Que existem novas
E melhores emoções...
Contigo aprendi
A conhecer um mundo novo
De ilusões
Aprendi...
Que a semana já tem mais
De sete dias
Fazer maiores minhas
Poucas alegrias
E a ser alegre
Eu contigo aprendi...

Contigo aprendi
Que existe luz na noite
Mais escura
Contigo aprendi
Que em tudo existe um pouco
De ternura
Aprendi...que pode um beijo
Ser mais doce e mais profundo
Que posso ir-me amanhã mesmo deste mundo
As coisas boas, eu contigo já vivi
E contigo aprendi, que eu nasci
No dia em que te conheci...



Vulnerabilidade - Alessandro Brito

Hoje é assim que me encontro, totalmente vulnerável...
Costumo dizer que não tenho limite, apenas limiar. É claro que falo de uma questão emocional, a questão fisiológica não conta. Fisiologicamente sou limitadíssimo, meus 3,75 de miopia em cada olho que o diga! rs
Estou em uma situação qualquer... normalmente sei como agir e premedito as probabilidades de seguir ou recuar... Mas existem situações que fogem a este controle, é justamente quando entro em estado de vulnerabilidade.
Meu "limite" era até o ponto em que eu tinha domínio da situação, a partir do momento em que entro em estado de vulnerabilidade, onde ao invés de premeditar se devo seguir ou recuar eu me vejo obrigado a escolher um dos dois caminhos, entro em uma zona de risco. Se tudo correr bem e eu retomar o controle da situação, terei em um novo limiar, um "limite" superior ao que tinha até então. Serão necessários novos fatos sobre aquela determinada situação para que eu entre novamente em estágio de vulnerabilidade, logo, de acordo com o que se sucede o limiar sempre tem a possibilidade de aumentar, quebrando então essa regra de sermos limitados.
 Se no estágio de vulnerabilidade as coisas não acontecerem de uma forma positiva, significa que me perdi no caminho, não progredi, é necessário reavaliar todo o processo e tentar entender onde errei.

Estar vulnerável é uma das sensações mais fantásticas que já senti... É como se nada eu soubesse, embora eu saiba muito pouco das coisas da vida rs... É como se eu regredisse e não soubesse nada de nada... Sinto tanto medo... um desejo louco de retomar as rédias... mas ao mesmo tempo uma fascinação pelo inesperado, isso me consome... Sinto calafrios... Acho que o sono é o maior inimigo desse estado, ele simplesmente desaparece, não dá o menor sinal... Cada minuto dedico para pensar, repensar... que tolo... rs
Adoro me sentir bobo porque no fundo eu sei que sou, embora eu finja não ser...rs  Nessas hora percebo que não passo de um menino querendo aprender coisas...
Essa dúvida do seguir ou recuar, quase me enlouquece! Me pego sorrindo, assim, sem mais nem menos, sem saber se terei êxito ou não... É como se voltasse a ser criança e enxergasse apenas o que quero, todo o resto do mundo passa a ser totalmente secundário... São nesses momentos de vulnerabilidade que mais sonho, planejo, me exponho, todo esse frio que faz nessa madruga é ridículo perto do calor que sinto na alma... São em meus momentos de vulnerabilidade que mais sinto meu sangue percorrer todo meu corpo, e reconheço que não sou espectro de homem, que não estou apenas passando pela vida, mas vivendo.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Minha crença - Alessandro Brito

Acabo de assistir uma pregação (não sei se este é o termo correto) de um pastor da igreja Bola de neve que está no dvd "Livres - Juliano Son - Pra que os outros possam viver" que veio parar em minhas mãos através de uma pessoa muito amada, que eu não via há anos, mas que nas voltas que a vida dá...

Para qualquer um que realmente me conheça, chega ser irônico eu começar dizendo que "acabo de assistir uma pregação", logo eu que tenho aversão a estas coisas, mas não pense que é sacanagem minha não, pois não é!

A mensagem enfatizava  que devemos amar a "Deus" e não ao dinheiro, que não podemos servir dois deuses ao mesmo tempo (citou um capítulo da biblía)... O orador enfatizava o quanto a globalização agunçou nossos sentidos para o consumismo, e o quanto isso reflete em nosso comportamento, em nossos ideais... Enfatizava como estamos obcecados pelo porder e principalmente como nós como "seres humanos" na condição de egoístas que somos, deixamos de olhar para o próximo e de praticar o amor aos nossos "irmãos"... que deveriamos refletir a respeito dessas coisas...
Por fim citou estátisticas da ONU para comparar a vida de pessoas miseráveis com a nossa vida medíocre, nos fazendo refletir a respeito de quem realmente é rico ou pobre...

Que ironia para mim tudo isso...

Eu que comecei frequentando (obrigado)  a macumba, pois quando criança meus pais iam no terreiro, e com 4 anos não temos muita autonomia para ficar em casa sozinho comendo uma pizza...
Em seguida comecei minha busca, acreditem, fazia parte do grupo de jovens da Igreja Universal.
Ia sempre com uma vizinha amiga da minha mãe... Não me adaptei rs...
Tempos depois passei a receber aulas em casa com uma srta testemunha de Jeová. Desde menino sempre fui intenso em tudo que fazia e sentia, e éassim até hoje! rs. Pois bem, passei a frequentar o Salão do Reino todas as terças e quintas (duas décadas depois fui morar, literalmente, em frente a este mesmo salão que está lá até hoje) também não me adaptei havia umas regras muito estranhas pra mim...rs
Uum tantinho maior passei a frequentar a assembléia com minha vó, essa sim é um anjo lindo! As vezes eu me pego cantando um hino que ela cantava todos os dias pra mim com aquela voz de lavadeira:

"Foi na cruz, foi na cruz
Onde um dia eu vi
Meus pecados castigados em Jesus
Foi ali, pela fé, que meus olhos abri
E agora me alegro em Sua luz"...

Lembro que nesta época uma outra vizinha me levou pra passar um ano novo em uma igreja também evangélica... minha nossa o que foi aquilo...
Também não me adaptei, era muito barulho pros meus pobres ouvidos...

Meu pai (nordestino da muléstia) dizia que eu tinha que me batizar, por que eu já tinha meus 17 anos e se eu morresse não poderia herdar o reino de Deus, pois ainda era um pagão! Não entendia essa necessidade mas meu irmão Rogério também se propôs a fazer a crisma (embora ele já fosse batizado) topei fácil...

Claro que cheguei atrasado no primeiro dia de crisma, naquela sala abençoada, e lotada rs, conheci minha primeira namorada... Isso foi maravilhoso, e tenso ao mesmo tempo, acho que ali comecei a entender porque diziam que "amor e ódio" caminham lado a lado... =[

Na época, 1997 eu e o Rogério tinhamos uma jog (scooter) idêntica, e faziamos quase tudo juntos rs, como é até hoje, (inclusive, estavamos junto  está madrugada comemorando a promoção dele para gerente na empresa onde trabalha shaushaushaushas) e confesso que no início só topei porque ele também ia todos os sábados comigo, mas depois que entrou a primeira namoradinha as coisas mudaram um pouco, normal né!?
Pois bem, encontrava a namoradinha na crisma e depois iamos ao shopping passar o resto da tarde, a mãe dela ia buscá-la eu pegava minha "joguinha" rs e dava aquela buzinadinha marota pra sogrinha e ia todo orgulhoso pra casa! Um dia fui no aniversário dela, meu tio me levou porque eu não podia sair a noite com a joguinha, e logo me ligou dizendo que ia me buscar, a namoradinha pediu pra que a mãe dela me levasse, dispensei meu tio e fiquei... A se eu soubesse...
Quando a mãe dela as 02:30 da matina me deixou na favela, a mulher quase teve um "treco", aí já saquei, caí! rs
Não deu outra, com dois dias a namoradinha me ligou dizendo que a mãe dela não queria mais que a gente namorasse porque ela estava indo mau na escola e tal... Aí falei:
"Namoradinha" eu sei que não é isso, ela não quer porque eu moro na favela não é isso?
Ela, lindinha que era falou:
-É! =[ ... Mas eu não me importo vamos namorar escondido, quero ficar com você... (fiquei com o ego ferido pela mãe, mas todo cheio por estes dizeres dela rs).
Olha, não sou moleque pra namorar escondido (hahaha 17 anos metendo essa... sou ou não sou um paraíbinha da moléstia também?)
Dias depois liguei na casa dela, a "ex-namoradinha" atende, eu digo que quero falar com a mãe dela, ela então passa o telefone:
Eu tremendo rs, mas cheio de razão falo de prima:
- Olha fulana (ainda lembro o nome da infeliz) sei que não quer que eu namore sua filha só porque eu moro na favela... (aí se isso fosse crime na época rs)
- Que isso Alessandro (eu mesmo rs) você são muito novos, se vocês se amarem realmente como se amam, quando tiverem terminado a faculdade, com certeza ficarão juntos... O amor é como uma plantinha, tem que ser regado todos os dias... Meu que velha filha da mãe! rsrsrs
Nunca mais tive notícias...
Foi então que comecei a perceber onde estava me metendo, convivendo com esses ditos "seres humanos", aquilo parecia perigoso rs.

Óbvio que deixei de ir na crisma, não me batizei... Mas pelo menos fui na formatura do Rogério rs, e ainda tive a pachorra de ir cumprimentar as duas... Ela estava linda! rs

A partir da crisma passei a frequentar o grupo de jovens da igreja também católica da matriz.. Eu e quem? Claro que eu e o Rogério rs... Depois de quase um ano, desencanei... Dei de braços com a boemia, e na noite cada vez mais pude perceber com essa tal raça de "seres humanos" é perigosa... rs

Anos depois, me batizei, na "única igreja verdadeira na face da terra" eita! A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias... Ali sim foi incrível, sem gritaria, sem sacolinhas, fiz bons amigos que também me acompanham até hoje... Falando sério, tive grandes lições por lá!
Decidi ir pra missão (depois de uma pequena pressão de toda a igreja óbviamente)... A missão consiste em dedicar 2 anos da sua vida em pról do seu crescimento espiritual (e da igreja de tabela)... Pois bem, era necessário estar casto por no mínimo 6 meses para poder entrar no templo da igreja... Fiquei 8 meses shaushausahu... Meu chamado chegou, eu iria dedicar 2 anos de minha vida em "Santa Maria"... Resumo das regras:
Não poderia andar só... são 2 anos sempre com um companheiro ao lado
2 anos sem dar um beijinho sequer no rosto de uma mulher (para evitar a tentação)
A igreja aluga uma casa ou ap (na maioria das vezes para 2 duplas)
Cada um recebe o mínimo de dinheiro para passar o mês (menos que um salário mínimo pra cada, na época) Esse dinheiro teria que pagar, água, luz, comprar desejum e a janta, o almoço é na casa dos menbros... E mais uma séria de coisas...
Pois bem, precisava de uma assinatura apenas para poder ingressar na missão... Fui fazer essa última entrevista com o manda-chuva (presindente da estaca - na região é o mebro "mais respeitado") me fez algumas perguntas e me deu o aval!
Saí da sala decidido! rs Não vou mais! hahahahahaha
Ora, quem era aquele iníquo para me julgar? Como poderia a igreja ser verdadeira tendo como Presidente de estaca um pilantra, embora eu não soubesse porque rs. Mas via nos olhos dele a maldade ... E foi isso que disse para os que perguntavam porque eu não iria mais pra missão! Imaginem se fui ou não julgado na casa de Deus...rs
Óbviamente, rs deixei de ir pra igreja...
Até então, sem problemas, porque igreja não ia me faltar pra eu conhecer e me encontrar... Um dia fui ao samba na casa verde, e de frente pro samba tinha uma igreja:
"IGREJA PRESBITERIANA DO MINISTÉRIO DA PARAÍBA" confesso, me senti em casa, tinha ou não tinh aopções? rs.
E assim acabou minha saga com as igrejas.

O que pegou mesmo foi quando fui morar na Paraíba...
Morava em Campina Grande, embora sempre estivesse em João pessoa. Era tudo muito lindo, muito belo, não fazia jus as canções de lamento do meu querido Luiz Gonzaga... (totalmente relevante na minha vida).
Aí foi onde a porca torceu o rabo... Inventei de me embrenhar na caatinga e no cerrado...
Não conseguiria expressar a dor que senti, quando vi as condições que aquele povo vive, ops, sobrevive... Se um dia eu pensei ter sofrido na vida, regozijei-me, pois não tenho idéia do que seja sofrimento...
A coisa mais linda do mundo pra mim, é uma criança... Não quis aceitar que aquilo que eu via não era um quadro, mas a bruta realidade... Quanto mais eu me embrenhava, mais eu conhecia, mais atormentado eu ficava!
Como poderia existir um "Deus"  de amor e blá blá blá como o que eu havia "conhecido"? (nossa mente é fantástica).
O magnânimo dono de toda a glória e senhor do "Perdão" todo onipotência permitiria aquilo acontecer? Comigo tudo bem, mas com aquelas crianças?????? Tinha algo errado... = [

É fácil pra qualquer um defender que é o plano dele... Nunca viu niguém sofrer daquela maneira não é mesmo? E se um dia viu, fingiu que não era um problema seu...

É fácil qualquer um comentar que sou um "homem de pouca fé" ou que não tenho fé...
Mas quatas vezes esta pessoa que me julga passou fome? (eu já).
Quantas vezes abriu seu guarda roupa e deu sua melhor Blusa pra alguém vistir?
Quantas vezes deu seu melhor cobertor pra alguém se aquecer?
Me diga, quantas vezes deu um abraço em um mendigo? Você já abraçou um e parou pra conversar com ele levando uma palavra de esperança?

Poxa, mas você pratica a caridade não é filho de Deus!? Que alma nobre, você doou e doa aquela blusa que não usa mais, aquela que não tem coragem de colocar e sair com sua gatinha ou gatinho...
Doa aquele cobertor que cheira a mofo que nem você quer usar...
Doa 5 reais ou 10 reais pra um descamisado se alimentar (mais com a certeza que ele vai consumir drogas), mas nunca comprou uma cesta básica pra ninguém, nem pra sua própria família, se fez, quantas vezes fez?... rs...
Mas um churrasco com certeza já deu pros amigos né? Claro, que tonto eu, são seus amigos, eles merecem... O outros é problema do governo, não seu... é entendo... Mas o que mais me deixa louco é que ainda sai com a "consciência tranquila" enganado a si mesmo que fez uma boa ação. Pura hipocrisia...

Poderia citar aqui 2.000 exemplos de falso moralismo, mas não quero entrar nesses méritos... citei estes apenas pra não ter comentários de falsos moralistas por aqui!



Hoje sou agnóstico, acredito em Deus! Mas um que não tem a hipocrisia e a demagogia da religião e suas doutrinas, nem livros...
A doutrina do Deus que acredito é simples: "Ame teu irmão e seja honesto consigo em primeiro lugar!



"O problema não é um Deus que não existe, mas a religião que O proclama!" José Saramago.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Um dia sonhei - Alessandro Brito

Um dia sonhei...

Que meus pensamentos encontravam os teus
Se embrenhado numa farra
Que os Deuses a nós concebeu

Que tua fala, a minha completava
Dizendo velhas frases
Que nunca quiseram dizer nada

Sonhei que tua alma cansada
Setiu-se aliviada
Ao ver que a minha por ali também vagava

E voltavamos no tempo
Esquecendo os sofrimentos
Que outrora nos feriu

Sonhei curar minhas dores
No mesmo campos de flores
Do qual um dia partimos

Então meu corpo e o seu
Ardendo de desejo
Cometia os pecados que o mundo nos deu

Foi um sonho lindo
Profano e divino
Como você e eu!

segunda-feira, 16 de maio de 2011

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Os 3 tipos de mulheres - Alessandro Brito

Mulher 1 - Saiu com a mina, rola à química monstraaa... Estamos morrendo de tesão, o ambiente é favorável para a intimidade de um casal... O metabolismo acelera cada vez mais, vou tocá-la! Ela não deixa. Os beijos continuam cada vez mais envolventes, arrisco novamente uma carícia mais atrevida, vem a negativa! Já entendi que não vai rolar, ficar tentando será desgastante!!!
Conclusão: Sei que se sair com ela mais 5 vezes no máximo, ela vai transar comigo!
E não foi por falta de eu transmitir segurança não, ela quis apenas valorizar, é uma biscate e quando eu transar vou mesmo esculachar!
(Uma biscate porque se colocou em uma situação premeditando suas atitudes, se não estava afim que rolasse fosse "sincera" (coisas que vocês adoram dizer que nós não somos) e não desse margem para chegar aquela situação).

Mulher 2 - Saimos, rolou aquela química monstraaa... Estamos morrendo de tesão, tento persuadi-la, embora o metabolismo esteja a mil, ela não me deixa tocá-la, muito menos aceita ir para um outro lugar... Essa tem todo meu respeito, todo mesmo! Devo entender que o incompetente fui eu, que não conseguir fazer a triagem de entender sua carência, ou necessidade, falhei em não dar a ela a segurança que ela precisava naquele momento! Talvez eu saia com ela inúmeras vezes e não venha ter uma relação íntima, embora role a química, talvez eu peque em não conseguir entender o que ela realmente necessitava para se sentir segura.

Mulher 3 - Essas sim são raras, logo, as mais interessantes... Saimos, a química monstraaaa rolou novamente! Mas dessa vez é diferente, ambos estão a flor da pele, ela me deseja com a mesma intensidade que eu a desejo. Nos tocamos, decidimos nos gestos que teremos uma relação íntima... Aí onde mora o perigo! Sem dizer nada, ela me impõe a seguinte condição: "Eu sei o que estou fazendo, e você?" Cabe a mim, saber se tenho pique pra encarar ou não! Não digo pelo ato sexual, mas pelo pós.
Sem dizer uma única palavra ela no grau de sua maturidade (independente da idade) deixou bem claro uma coisa, "ela transará comigo quando ela bem entender, eu não transarei com ela quando eu bem entender", xeque -mate!

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Abaixo-assinado Estação no metro em Higienopolis

Abaixo-assinado Estação no metro em Higienopolis

Churrasco Diferenciado - Metrô Av Angélica!


 EH por isso que "eles" tentam de todas as formas a censura, o boicote onde quer que seja possível... Mas é inútil, a globalização agunçou o desejo de compra de status, mas trouxe com ela também o proliferação dos meios virtuais... Vejo 4 décadas onde quase nada se cria de realmente proveitoso, fora a tecnologia o resto parece tudo regredir, devemos uma mudança a todos aqueles que lutaram e deram suas vidas (na ditadura) pela nossa atual liberdade... Temos os meios para isso...
Jamais reuniriamos tantas cabeças pensantes de uma forma tão centralizada e organizada, eis aqui uma grande brecha do sistema!
Como diria Gonzaguinha "VAMOS A LUTA".

11/05/2011 - 18h15

Internautas marcam churrasco em protesto a mudança de metrô em SP

Publicidade
DE SÃO PAULO
A desistência do governo estadual de fazer uma estação de metrô na avenida Angélica, na região de Higienópolis, bairro nobre do centro de São Paulo, virou motivo de piada nas redes sociais nesta quarta-feira. Internautas marcaram um churrasco para protestar contra a decisão (leia abaixo).
Reportagem da Folha de hoje mostrou que a decisão ocorreu após pressão de moradores, empresários e comerciantes da região. A estação da linha 6-Laranja deve ser construída na praça Charles Miller, no estádio do Pacaembu.
No Twitter (rede de micrblogs), o assunto entrou nos tópicos mais comentados do país desde a manhã. "É tão fácil resolver esse problema do metrô em Higienópolis, gente: faz uma entrada social e uma de serviço. Pronto", escreveu Luisa Tieppo em seu perfil.
Outros usuários abusaram da ironia para criticar a mudança. "Já posso comprar uma passagem para o país de Higienópolis? Eu gosto de ver riqueza. Não me misturo com esse povinho do restante do Brasil", afirmou Guilherme Navarro.
Rodrigo Martins provocou: "Higienópolis e Pacaembu não querem metrô? Bota uma estação lá na minha saudosa Vila Quaquá!".
"Dá vergonha ver a cidade abrir mão de uma estação de metrô na região central por causa de 3.500 higienopolitanos. Mas a linha é pra quando, 2100?", questionou Tiago Marconi.

Reprodução/Facebook
"Convite" de churrasco marcado em protesto contra mudança de estação de metrô em Higienópolis, no centro de São Paulo
"Convite" de churrasco marcado em protesto contra mudança de estação de metrô em Higienópolis, centro de SP
CHURRASCO
No Facebook a piada foi além e promete sair da esfera virtual. Um usuário marcou um churrasco da "gente diferenciada", em alusão a uma frase dita por uma moradora à reportagem da Folha em agosto do ano passado.
Até por volta das 18h10, mais de 11.300 pessoas haviam "confirmado presença" no evento pela rede social.
A postagem diz que o churrasco vai acontecer no sábado (14), a partir das 14h, em frente ao shopping Higienópolis. O organizador pede que sejam levadas "cadeiras de praia, cachaça, farofa e som portátil".

Conselhos do meu irmão Leonardo Mattos. (Filho da mãe sabe das coisas).

Você é um cara inteligente, ousado, sabe o que diz, não joga conversa fora, adepto da verdade... ta na hora de começar se preocupar com vc brother..... deixar de dar importância pro mundo e se importar contigo. Ninguém vai fazer por vc irmão!

A preocupação com quem consideramos nossos amigos, ultrapassa onde julgam ser o limite da privacidade e se torna uma invasão. O querer bem deles é o alvo do ego ferido, que as vezes se confude com inveja. Não somos donos de ninguém e já diziam que devemos gostar das pessoas como elas são, mas as vezes achamos que não são ninguém e caímos no comum engano de que poderiam estar ou pelo menos ser alguém melhor do que estão ou são. Pergunto: Será que gostariam de ser diferente? Será que se tivessem o escasso conhecimento que achamos ter e temos estariam ou seriam melhor mesmo???
A tempos não me engano mais, não porque me julgo melhor ou pior que os outros, muito pelo contrário. Parei de julgar, parei de de me "intrometer" nos assuntos que não me cabem ou a minha família. Meus amigos continuam sendo meus amigos, e espero que sempre sejam, porém, quero sejam sempre o que buscam, o que querem, o que cultivam do seu plantio. Minha preocupação não diminuiu, apenas deixou de ser do interesse deles, muitas vezes porque o que diz, caro amigo Sandrinho, nem sempre é o que querem ouvir, nem sempre estão prontos para a verdade nua e crua. Dizer o que pensa hoje em dia é pior do que mandar alguém ir se fuder, imagina?
Te admiro muito e você sabe disso, mas sua verdade pode não ser a verdade do próximo. Pode ter seus amigos por perto sem "invadir" o mundo paralelo em que vivem, e pior, vivem achando que vivem, apesar de sobreviverem e levarem a vida com o máximo de preocupação possível com o bem estar e luxo.
Definitivamente não sei se somos parte desse enorme conglomerado de idéias supérfulas, fúteis e estática.
Não conheço esse seu amigo, vendo de fora vejo que está debatendo em vão e o afastando ainda mais. Uma pessoa que diz amar, que conhece a mais de 15 anos e que entrou em contato contigo porque em algum momento da vida DELE, se lembrou que você existe, não carece o debate.
Seus conhecimentos, sua experiência e suas filosofias de vida não vão mantê-lo por perto, não assim!
Seja você sempre! Tenha suas convicções sempre! Tenha seus conhecimentos sempre! Mas seja o mais simples possível, sempre!
Expandir seus conhecimentos, suas filosofias e sua nada agrável experiência de vida, sempre foi uma obsessão, o que é louvável na minha opinião, aliás, me ensinou muito com elas, mas tem gente que não quer saber irmão!
Tem gente que vive seu mundo e ponto final, pouco importa o que se passa além do umbigo.
Particularmente mando ir se fuder, dói menos do que ouvir a verdade!

terça-feira, 10 de maio de 2011

Última convesa com Canhoto da Paraíba =/

 =(

 

Fez três anos que o gênio do violão Canhoto da Paraíba partiu.
Lembro da última vez em que o visitei.
Naquele dia, Canhoto da Paraíba estava com 81 anos, sentado em uma cadeira, como sempre esteve durante 16 horas, todos os dias em seus últimos três anos. Depois de um AVC, ele falava com dificuldade e baixo. Eu havia ido à sua casa como portador de um presente, os CDs Vale dos Tambores, do compositor e intérprete Carlos Henrique Machado.
Descobri dessa vez que ele via mal por somente uma das vistas. Mas Canhoto era um homem com mania de felicidade. O seu prazer era sorrir, procurar o sorriso, buscar a felicidade. Ele sofria, claro, ele percebia o sofrimento, mas isso não o levava ao desespero. Naquele domingo, carregava comigo meio litro de uísque, para beber enquanto ouvisse os choros de Carlos Henrique Machado. Então eu pedi à sua filha Vitória um copo com gelo. Que fez Canhoto? Pediu um também, porque desejava me acompanhar na bebida. Mas Vitória, filha, secretária, enfermeira e companheira repôs a nossa alegria no quintal da realidade:
- Ele não pode beber, por causa do remédio. Ele toma Gardenal.
Então eu, o caridoso – e a caridade se confunde com a crueldade em mais de uma rima – levei o meu copo de uísque a seu nariz, para que ele, se não podia beber, pelo menos sentisse o aroma do álcool no domingo. O diabo era que ele, gripado, estava com as narinas cheias de vick. O frustrado, acreditem, fui eu. Canhoto, não, ele foi do desejo de me acompanhar à paciência de viver com o que era possível. E por isso, para não afrontá-lo com a minha temporária saúde, bebi menos, somente três doses, em respeito a seu estado. E assim melhor pude ver e observar a sua pessoa.
Aos primeiros acordes do choro Canto dos Quilombos ele sorriu. Melhor dizendo, pôs um sorriso que não voltou a se fechar nos lábios. Então entraram o cavaquinho, o bandolim, os violões. Para quê? Como é que se podia ser infeliz a ouvir uma composição assim? Não sei se descobri a pólvora, mas Canhoto era feliz porque era um homem musical. Ele retirava do som o remédio para a desgraça.  Porque a sorrir ele se pôs a balançar a cabeça também, a dizer e a se repetir “sim” em silêncio. Então eu senti que ele estava liberto. Ele não estava mais naquela cadeira, ou melhor, estando sentado nela, a cadeira era um objeto de profundo conforto. Era como estar na dor e integrar a dor em algo maior, em outro lugar, onde a própria dor não tem razão, como canta Paulinho da Viola. Então ele comentou, baixinho, à sua maneira, mas com um ar no rosto que não admitia outra frase:
- Como tem gente boa no Brasil.
E dessa vez fui eu que balancei a cabeça. Vieram outros choros, até chegar na composição Catira. E ele, esquecido do nome do artista que ouve:
- É João Pernambuco?
- Não, Canhoto, é Carlos Henrique Machado, eu lhe respondi.
Senti que ele não me via, não mais pela falta de visão, mas porque a ausência de luz era um elemento para sua viagem. E ele estava mais que certo, não era uma ilusão, um escapismo, como qualquer idiota de manual podia escrever. Aquilo era típico da arte: fazer do circunstancial um elemento de composição, sempre. Na dor, na alegria, na felicidade, no sofrimento, no riso, na raiva - tudo era matéria para a expressão.
Mas isso que acabo de escrever, no calor do que percebo agora, ele sabia sem conceito cerebral, ele sabia por sentimento, a balançar a cabeça e a sorrir. Impossibilitado que estava de ele próprio executar a beleza, com as suas gordas e canhotas e generosas mãos – porque era todo esquerdo, agora sinto, o que nele era destro era apenas auxílio para o outro lado -, ele passou a compor de outra maneira, enquanto acompanhava os movimentos do choro do CD. Então eu percebi que Canhoto estava tocando! Acreditem, porque eu vi Canhoto a executar o violão, apesar do AVC, tocando. Como? – Ele estava com uma das pernas cruzada, posta sobre o joelho. Com a mão esquerda, imóvel, repousada em um braço da cadeira, com a direita ele marcava posições de acompanhamento na tíbia, no tornozelo!
Essas coisas a gente vê e deve olhar para o outro lado em sinal de respeito. Mas era irreprimível. Ver as notas a correr com o polegar, com o médio, o indicador, em marcações imaginárias em uma tíbia que se transformara em braço de violão. Eu bebi e silenciei ali, como silencio aqui.
O mais que escrever será inútil.

http://www.diretodaredacao.com/noticia/ultima-conversa-com-canhoto-da-paraiba

terça-feira, 3 de maio de 2011

Manhã de Carnaval - Luiz Bonfá & Elizete Cardoso

Sou doido por esta música!!!!!

Quero Ser o Homem Que Sou - Raul Seixas

Composição : Raul Seixas/A. Simone/kika Seixas

Dizendo a verdade
Somente a verdade
Dizendo a verdade
Somente a verdade
Essa vã criatura indecisa no mal
Indecisa no bem
Sempre buscando venturas
E sempre à procura das dores também
Com todos os desejos, pecados, receios
Rancor e arquejos
Do animal que gargalha
E traz na boca rugidos e beijos!!
Mas dizendo a verdade
Somente a verdade
Mas dizendo a verdade
Somente a verdade
Esse gênio esboçado, essa criança louca
Esse filho da dor
Que foi capaz de erguer do lodo
Uma voz rouca e um canto de amor
Enquanto geme e chora
Mata e mente, acusa e defende
Deixa ficar pra trás
Na sua jornada uma canção de glória!!
Dizendo a verdade
Somente a verdade
Dizendo a verdade
Somente a verdade
Quero ser o homem que sou
Sim, quero ser o homem que sou
Sim, quero ser o homem que sou!!
Mas...dizendo a verdade
Somente a verdade
Dizendo a verdade
Somente a verdade
Esse gênio esboçado, essa criança louca
Esse filho da dor
Que foi capaz de erguer do lodo
Uma voz rouca e um canto de amor
Enquanto geme e chora
Mata e mente, acusa e defende
Deixa ficar pra trás
Na sua jornada uma canção de glória!!
Dizendo a verdade...

Frase - Fernando Anitelli

"Desta VIDA nada se leva...só se deixa...Então te deixo o meu melhor : o melhor sorriso, meu maior abraço, minha melhor história, minha melhor intenção; E do meu amor, a maior porção. Só quero ficar na memória de alguém com outro alguém q é do bem."

segunda-feira, 2 de maio de 2011

VELHA GUARDA PORTELA 1975

PUTZ!

Documentário - Chorinhos e Choros - Antonio Carlos Fortura -

Autarquia!

Resíduo - Carlos Drummond de Andrade

Uma primazia!

De tudo ficou um pouco
Do meu medo. Do teu asco.
Dos gritos gagos. Da rosa
ficou um pouco.

Ficou um pouco de luz
captada no chapéu.
Nos olhos do rufião
de ternura ficou um pouco
(muito pouco).

Pouco ficou deste pó
de que teu branco sapato
se cobriu. Ficaram poucas
roupas, poucos véus rotos
pouco, pouco, muito pouco.

Mas de tudo fica um pouco.
Da ponte bombardeada,
de duas folhas de grama,
do maço
vazio   de cigarros, ficou um pouco...