terça-feira, 23 de março de 2010

Segredos Sagrados - Alessandro Brito

Se pudesse não sairia do teu colo
Este que se faz um campo de abrigo
Abrigo das minhas dores
A ti confidencio segredos sagrados
Sem medo da vulnerabilidade
De saber que não sou perfeito
Em teu sorriso a calmaria
Nos teus olhos a esperança
Eu tolo assim, ingênuo como criança
Dos caminhos que passei trago dores de saudade
Com o peito em chamas vou tentando
Arquitetar nossa felicidade
Tem toda liberdade de partir ou de ficar
Mas sem ti não tem sentido
Como tu outra nunca será.

quarta-feira, 10 de março de 2010

A pessoa ideal - Alessandro Brito

Então descobri que sou ninguém! Não passo de uma junção de idéias de meus pais, amigos, escola, televisão, música... E em meio a tudo isso me ensinaram sobre o amor, também me ensinaram como amar, mas creio não ter aprendido. Então deixei um pouco de lado de ser ninguém e me apresentei a mim mesmo, comecei então a discutir comigo o que e como é o amor e amar.
E surpreso me encontro agora, pois penso que o amor não esta nos outros mas em mim, assim meu eu me disse. Amar consiste em respeitar a mim e aos outros. Eu amo não quando me anulo por outrem, mas quando o faço enxergar e respeitar que sou um universo paralelo.
É insano depositar sonhos, anseios, esperança em outro universo que não seja o meu, não tenho discernimento para ordenar e controlar meu próprio mundo, como poderia arriscar deixá-lo a cargo de outro? Como poderia preencher espaços de outro se o meu próprio ainda não está cheio?
Apenas compreendo que universos sempre serão singulares e o que se pode tirar de melhor de cada um é a somatória de experiências, apenas dividir. Quem recebe sim, soma! Se somos dois e eu nada recebi e também não doei, pois tudo continua em mim, eu apenas dividi.
É preciso que os sonhos de cada um sejam focados em si próprios, sendo assim, acredito que possa ser duradouro!

segunda-feira, 8 de março de 2010

Malandro de Valor - Alessandro Brito

Paulo Mathias você é fora de série irmão. Essa letra é para você, meu  grande amigo!





Malandro de valor (Alessandro Brito)
E foi no samba de outrora que conheci teu valor
Sujeito de boa conduta, elegância e bom proceder
Letrado na escola da vida não se intimida com nenhum Zé durão
Aguerrido, disposto, és um mulato de bom coração

A noite é tua morada e na madruga encontra a vida
Amante das noites de lua a boemia quem te dá guarida
Tens alta linhagem és a fina flor da malandragem
Tens toda a admiração

Barão das cabrochas citado em todos os jornais
Dá o tom da gafieira sem eira nem beira faz e desfaz
A elite respeita mas indigesto não te agrada o cartaz
Porque só com tua gente do morro encontra a paz

quinta-feira, 4 de março de 2010

A triste partida - Luiz Gonzaga

Morei 8 meses na paraíba, 8 meses impagáveis. Lá onde consegui alinhar meus pensamentos, dei vida a minhas idéias, lá onde aprendi a questionar. Questionar tudo; as santidades; o certo o errado; pobreza e riqueza... Foi lá onde encarei  pela primeira vez em 23 anos a "realidade", nua e crua. Não fui de encontro a ela, por mim nunca teria ido, mas ela se fez florescer, no sertão do Cariri, no Cerrado. Mendigos do centro de São Paulo dormindo nas marquises e nas praças é natural em nossa geografia, nos adaptamos com esse cenário, afinal apesar de serem muitos ainda sim são minoria. No sertão não! Lá os descamisados são maioria, o analfabetos são maioria, as crianças mendigam nas estradas, descalças calor insuportável na sombra, as barriguinhas enormes cheias de vermes por andarem sempre de pés descalços em meio aos coliforme fecais, verme aquele que o menino criado em apartamento pela vó só vai ver na 6ª série no livro de ciências. As casas ainda são de barro, as pessoas dormem as 6 da tarde porque não tem luz. Crianças não brincam, trabalham, não sonham, crescem! Adultos não dão carinho, castigam... E ninguém soube retratar o nordeste como Luiz Gonzaga, por anos descriminado por nós sulistas.
Obrigado mestre Lua por não ter se calado! Obrigado por cantar a realidade do meu povo nordestino, afinal sou filho de paraíba com paraíba. Obrigado Luiz por trazer alegria ao povo que é explorado e descriminado nas outras regiões do país.
Obrigado por fazer canções tão lindas que embalam meus dias e me renova a esperança e desejo de um dia fazer algo valioso por todo esse povo que tanto sofre, assim como você fez.
Você é mais que rei do Baião, você é avô que me conta histórias quando ouço um LP do Mestre Lua. Quisera eu ter tido o prazer de dar-te um abraço e um beijo!

Peito Vazio - Cartola / Elton Medeiros

 

 

Alô Mundo - Silvio Silva jr

Eu não sei ao certo o que se passa nos dias atuais, ou melhor nas 3 últimas décadas, salvo um ou outro claro, não se cria nada que se aproveite!
O que me intriga é que isso ocorreu depois que foi conquistado o direito a liberdade de expressão!
Agora que se poderia criar sem censura, dizer o que se pensa, mostrar todo o talento que se tem, sou obrigado a aturar "é o tcham" por 10 anos, seguido de Pagode por mais uma década, e agora me deleitar ao som do Funk, o novo funk! UI.
Tenho alguns compositores que sou apaixonado, que não se deixaram influênciar, Aldir Blanc, Paulo Cesar Pinheiro, Ederaldo Gentil entre outros, percebam que todos vêm da época da ditadura. Outro dia arlindo cruz (mínusculo mesmo) estava cantando o Bole Bole, minha nossa, o cara havia tocado com nada mais nada menos que Candeia, isso sópode ser um pesadelo!
Mas o que quero mesmo falar é desse post, sou fã do Silvo da Silva Jr. esta letra Alô Mundo é surreal.
Amigo é para estas coisas do post anterior também tem seu dedinho, mas que benção não? O que seria de mim se não tivesse essas opções?! Não quero nem pensar!

Amigo é pra essas coisas - Silvio Silva jr / Aldir Blanc

Aos meus amigos amados!
"A amizade é uma predisposição recíproca que torna dois seres igualmente ciosos da felicidade um do outro"